Cristiano Ronaldo no melhor onze de 2017, votado pelos adeptos

O futebolista português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, foi uma vez mais eleito para a equipa do ano de 2017 pelos utilizadores do sítio oficial da UEFA, de acordo com a votação revelada hoje pelo organismo.

O Real Madrid, bicampeão europeu em título, com cinco jogadores entre os eleitos, é o clube mais representado no onze escolhido pelos internautas frequentadores do sítio da UEFA.

Cristiano Ronaldo com 444.430 votos, foi o quarto mais votado, atrás de dois colegas de equipa, o espanhol Sérgio Ramos (588.315) e o brasileiro Marcelo (558.495) e do rival argentino do FC Barcelona, Lionel Messi (477.036).

É a 12.ª vez que o internacional português, que em 2017 venceu a Bola de Ouro e o prémio FIFA 'The Best', faz parte da equipa do ano da UEFA.

Integram ainda a lista Gianluigi Buffon (333.604) e Giorgio Chiellini (295.842), da Juventus, Dani Alves (340.819), do Paris Saint-Germain, Kevin de Bruyne (416.679), do Manchester City, Toni Kroos (345.494) e Luka Modric (387.487), do Real Madrid, e Eden Hazard (303.376), do Chelsea.

A votação, encerrada quarta-feira, registou um total de 8.779.639 votos, 46 por cento dos quais oriundos da Europa. A Ásia ocupa segunda posição de votantes com 25 por cento, seguida da América do Sul, com 10 por cento, América do Norte e África, com nove por cento, e Oceânia, com um por cento.

No que se refere à votação expressa pelos cibernautas dos vários países, a Índia, com oito por cento, destaca-se entre os votantes, seguida da Polónia e da Turquia, com cinco por cento, Indonésia e Colômbia, com quatro por cento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."