Cristiano Ronaldo estará disposto a passar "cheque em branco" ao Fisco espanhol

Jogador português quer pagar o que as Finanças considerarem necessário para fechar caso de alegada fraude fiscal. Contudo, terá solicitado que seja retirado o pedido de prisão

Cristiano Ronaldo estará disponível para passar um cheque em branco às Finanças espanholas de maneira a que o processo de alegada fraude fiscal em que se viu envolvido seja encerrado. Em Espanha, diz-se também que a "oferta" acontecerá se for retirado o pedido de prisão para o capitão da seleção portuguesa.

O El Mundo avança que o jogador português está disposto a pagar o que o Fisco espanhol achar necessário relativamente aos direitos de imagem do atleta do Real Madrid.

Cristiano Ronaldo pretende que seja abandonada a via penal e quer encerrar o caso em que é acusado de uma fraude de 14,7 milhões de euros, devido a quatro delitos de ordem fiscal.

O jornal espanhol cita fonte próxima das negociações, que têm acontecido ao longo das últimas semanas, e tanto Cristiano Ronaldo como a estrutura humana que o apoia em termos legais e fiscais afirma que o jogador teve sempre vontade de pagar e regularizar as situações, como demonstra uma regularização voluntária em 2014.

Cristiano Ronaldo tem defendido que nunca teve intenção de defraudar o Fisco espanhol e sempre deu ordens aos assessores para que pagassem tudo dentro da legalidade. Assim, não está disposto a admitir um ato voluntário de fraude. Contudo, o jogador terá dito que está disposto a pagar o que as Finanças considerem que têm a haver do jogador português.

Em dezembro, Caridad Gómez Mourelo, responsável pela unidade central de coordenação do Tesouro espanhol que é especialista em crime fiscal, afirmou em tribunal que Cristiano Ronaldo devia estar preso. Justificou a opinião, inclusivamente, com o facto de estarem "pessoas na prisão por não terem pago 125 mil euros". Defendeu ainda que o português cometeu evasão fiscal de forma voluntária.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.