Cristiano Ronaldo e a reforma: "Tenho 23 anos de idade biológica"

Sobre o futuro no Real, capitão da seleção portuguesa diz que há coisas que não dependem dele

Aos 33 anos, Cristiano Ronaldo continua a acumular números de fazer inveja a qualquer futebolista. Por isso, o avançado do Real Madrid e da seleção nacional garante que a reforma não está para breve. Confrontado com uma frase sua sobre uma retirada apenas aos 41 anos, CR7 respondeu: "Já disse que me vou retirar aos 41 anos? Bom, faltam muitos ainda. Tenho 23 anos de idade biológica nesta altura", afirmou em entrevista ao programa televisivo espanhol "El Chiringuito de Jugones", durante o Media Open Day do Real Madrid para a final da Liga dos Campeões.

Sobre o seu futuro no Real Madrid, e a tão aguardada renovação de contrato, CR7 não abriu o jogo. "O futuro é agora, é a final de sábado, que há que jogar, ganhar e entrar na história. Isso é o mais importante. O futuro é o presente. E o presente é agora. O resto... há coisas que não dependem de mim", disse o capitão da seleção do Portugal, que só mais tarde se juntará à comitiva que prepara o Mundial da Rússia, uns dias após a final da Champions contra o Liverpool.

Cristiano Ronaldo garantiu também que tem um bom relacionamento profissional com o presidente Florentino Perez. "Ele dá-me carinho, a mim e aos outros jogadores. O que temos é que nos dar bem profissionalmente. Não tenho de ser o melhor amigo do presidente nem ele o meu melhor amigo", comentou.

Já sobre as notícias que dão conta da possibilidade de Neymar ser contratado pelo Real Madrid, e sobre uma eventual parceria com o brasileiro no ataque merengue, Cristiano despistou o tema e defendeu que os melhores jogadores já estão no Real: "Aqui fala-se sempre de muitos jogadores. Estou cá há oito anos e fala-se sempre de uns 50 jogadores que estão para vir e, no final, não vem nenhum. Os que chegam às finais são sempre os mesmos. Os melhores estão no Real Madrid: Bale, Benzema, Asensio... Estão todos aqui".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.