Cristiano Ronaldo cada vez mais afastado do Real Madrid

Relação entre o craque português o presidente Florentino Perez perto da rotura

O futuro do capitão da seleção portuguesa parece afastar-se cada vez mais do Santiago Bernabéu. Na reunião mantida terça-feira entre o representante do jogador, Jorge Mendes, e os altos responsáveis do clube merengue terá ficado claro que o Real Madrid não está disposto a satisfazer as pretensões económicas de Cristiano Ronaldo.

O avançado português quer ver traduzido num aumento salarial o seu estatuto de melhor do mundo, pois o salário atual (21 milhões de euros anuais limpos) é menos de metade do que aufere o rival argentino Messi no Barcelona (cerca de 50 milhões) e fica bastante abaixo também do do brasileiro Neymar no PSG (37 milhões). Essa atualização salarial terá sido uma promessa de Florentino Perez, presidente do Real, após a final da Liga dos Campeões da época passada. Mas, um ano depois, a promessa continua por cumprir e Florentino não parece disposto a abrir os cordões à bolsa.

Da parte do Real Madrid, segundo publica esta quinta-feira o jornal Marca, os argumentos para não ceder a um grande aumento salarial para o jogador português são o facto de o atual contrato (válido até 2021) ter sido assinado há pouco tempo, há menos de dois anos (em novembro de 2016), e ainda a idade de Ronaldo, 33 anos.

Além disso, acrescenta o jornal AS, o Real Madrid parece mais interessado em criar margem salarial para acolher uma estrela mais jovem. E como todos sabem, a obsessão de Florentino Perez nesta altura é Neymar.

O jornal Marca garante que o futuro de Ronaldo no Real está, por isso, a complicar-se muito. E o jornal português Record escreve mesmo que Ronaldo já terá decidido sair do clube.

No entanto, esta quinta-feira deverá haver nova reunião ente as duas partes, escreve o AS. Ronaldo, que tem uma cláusula de rescisão de 1000 milhões de euros, quer ver o futuro decidido antes do Mundial.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.