Falha do videoárbitro no Aves-Benfica não dá processo

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) excluiu hoje a abertura de um processo à inoperacionalidade no videoárbitro no jogo entre Desportivo das Aves e Benfica, por não ter relevância disciplinar.

Questionada pela Lusa, fonte do CD da FPF confirmou que esta a quebra de comunicações ocorrida no domingo, aos 66 minutos do encontro da I Liga de futebol, que o Benfica venceu por 3-1, não tem relevância disciplinar.

Na segunda-feira, o Conselho de Arbitragem (CA) da FPF explicou que existiu uma quebra de comunicações entre o videoárbitro e a equipa de arbitragem, que se ficou a dever a uma anomalia na base de interligação, que permite o envio de sinal áudio da equipa de arbitragem para o centro de videoarbitragem.

Ainda de acordo com a explicação do CA, após detetada a anomalia, a equipa técnica no centro de videoarbitragem procedeu a tentativas de recuperação do sistema de comunicações, nomeadamente reiniciando-o, sem sucesso, e, posteriormente, reconfigurando-o, igualmente sem resultados.

Perante isto, as comunicações ficaram comprometidas até ao final do jogo, sendo que os testes realizados após o encontro, que o Benfica venceu por 3-1, diagnosticaram que a falha se ficou a dever à base de interligação dos sistemas dos rádios utilizados pela equipa de arbitragem, liderada por Nuno Almeida, da associação do Algarve.

No domingo, o CA da FPF já tinha confirmado, na sua conta oficial do Twitter, a quebra de comunicações a partir dos 66 minutos do jogo, acrescentando que esta falha impediu o diálogo entre a equipa de videoarbitragem e a equipa de arbitragem no terreno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.