Conselho de Disciplina admite erro por não castigar Fábio Coentrão

Em causa está a atitude do defesa em ter danificado o banco de suplentes no Bonfim

José Manuel Meirim, presidente do Conselho de Disciplina (CD), admitiu esta segunda-feira em comunicado que o organismo que lidera errou por não ter castigado Fábio Coentrão na sequência dos murros que o jogador do Sporting deu no banco de suplentes do Estádio do Bonfim, no final do jogo com o V. Setúbal.

Meirim assume que o relatório do delegado da Liga a esse jogo da 19ª jornada da Liga "vem mencionado expressamente que o banco do visitante foi danificado pelo jogador nº 5 (Fábio Coentrão) do Sporting". Nessa nota, o líder do CD referiu ainda que o facto de no relatório constar um acordo de reparação de danos, "entendeu-se, mal, não existir responsabilidade disciplinar do jogador".

Este esclarecimento surge depois de no mapa de castigos da jornada 20, Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, ter sido multado em 804 euros por ter partido o banco de suplentes de Moreira de Cónegos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.