Conselho de Disciplina abre processos a Samaris e Edson Farías

Em comunicado, o CD da FPF anunciou a abertura de um processo disciplinar a dois jogadores "por eventual agressão a outro jogador"

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) abriu esta terça-feira um processo disciplinar a dois jogadores por alegadas agressões a outros futebolistas na última jornada da I Liga. Apesar dos nomes não terem sido revelados, os jogadores em causa são Samaris (Benfica) e Edson Farías (Feirense).

Em comunicado, o CD da FPF anunciou a abertura de um processo disciplinar a dois jogadores "por eventual agressão a outro jogador", sendo que "o processo será remetido amanhã [quarta-feira] à Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, mantendo-se em segredo até ao fim da instrução", lê-se no comunicado.

A abertura destes processos surge depois de uma queixa do Sporting contra o grego Samaris, do Benfica, que terá alegadamente agredido Diego Ivo, do Moreirense, perto do final do encontro da 28.ª jornada que terminou com o triunfo dos 'encarnados', por 1-0.

Na mesma ronda, também foi noticiada uma alegada agressão de Edson Farías, do Feirense, a Gamboa, do Sporting de Braga, numa partida que os bracarenses venceram por 1-0.

Na segunda-feira, o Sporting tinha solicitado a instauração de um processo sumário ao médio grego do Benfica Samaris à Comissão de Instrutores (CI) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Contudo, de acordo com fonte do CD da FPF, a Comissão de Instrutores admitiu que os jogadores podem ter incorrido numa falta muito grave, com um castigo entre um e dez jogos, pelo que teve de ser aberto um processo disciplinar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.