Afinal, Raphäel Guerreiro tem "contusão" e "está em recuperação"

Fonte oficial da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) revela que lateral não sofreu fratura e jogador apaga mensagem

Depois de o próprio Raphaël Guerreiro ter publicado na rede social Instagram uma mensagem na qual revelava ter uma fratura no pé, mas antiga, "há três meses", e não contraída no jogo frente à Rússia, a Federação Portuguesa de Futebol informou, também na manhã desta quinta-feira, que o lateral esquerdo não sofreu qualquer fratura e que se encontra em fase de recuperação.

"Por haver suspeita de fratura, Guerreiro foi submetido a exames num hospital em Moscovo. Analisados os exames, não foi detetada qualquer fratura na zona afetada [pé esquerdo]", explicou fonte oficial da FPF, citada pela Agência Lusa.

Entretanto, o jogador apagou a mensagem que tinha publicado no Instagram e na qual deixava entender que não deveria jogar mais nesta Taça das Confederações.

"Obrigado a todos pelas mensagens de apoio. Tenho uma fratura, mas há três meses. Aí não tenho dores. Onde tenho agora dores não há fratura, mas por enquanto não posso colocar o pé no chão ou mexê-lo. Mas vou continuar aqui para apoiar os meus companheiros da seleção no resto da competição", escreveu então na mensagem entretanto apagada.

No entanto, para já, apenas está descartada a sua utilização frente à Nova Zelândia, no próximo sábado, no último jogo do grupo A.

Na quarta-feira, o lateral esquerdo do Borussia Dortmund teve de ser substituído por Eliseu no jogo frente à Rússia, da segunda jornada do Grupo A da Taça das Confederações, que Portugal venceu por 1-0, com um golo de Cristiano Ronaldo, e no momento suspeitou-se de uma fratura.

A lesão do jogador ocorreu num lance em que foi pisado, levando à sua substituição aos 65 minutos.

Portugal, campeão da Europa, e México lideram o Grupo A da Taça das Confederações, com quatro pontos, mais um do que a Rússia, enquanto a Nova Zelândia ainda não pontuou.

Depois do empate frente aos mexicanos (2-2) e a vitória diante dos russos (1-0), a equipa das 'quinas' defronta a Nova Zelândia, no sábado, às 18:00 (16:00), num jogo em que poderá confirmar a passagem às meias-finais da competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?