Comissão de Instrutores diz que não há arguidos constituídos no 'caso dos e-mails'

Salientam que investigação ainda está em curso

A Comissão de Instrutores (CI) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) explicou este sábado, em comunicado, que "não existem quaisquer arguidos constituídos" no inquérito aos emails do Benfica, uma vez que a investigação ainda está em curso.

"Cumpre, de todo o modo, sublinhar que não existem, atenta a natureza do processo em curso, quaisquer arguidos constituídos, prosseguindo-se a investigação", apontou o órgão da LPFP, que recorda ainda o facto de que estão em curso "outros processos de índole distinta", o que implica "especial precaução e cuidado".

Num comunicado publicado hoje no sítio oficial da Liga na Internet e assinado pela presidente da CI, Cláudia Viana, pode ler-se que a investigação passa "pela audição de um significativo número de testemunhas, determinadas exclusivamente por esta CI, e não por solicitação de terceiros ou outras circunstâncias exógenas", entre outras diligências já levadas a cabo.

O processo de inquérito ao chamado 'caso dos emails' prossegue com "natureza sigilosa nos termos regulamentares", sendo que a CI esclarece que as estratégias de investigação que tem seguido são "exclusivamente definidas" por este órgão e pretendem "o cabal apuramento dos factos".

"À semelhança do ocorrido na anterior época desportiva, a CI pretende continuar a pautar a sua atuação pelo dever de reserva e discrição e com total independência, autonomia e equidistância", acrescenta o órgão, que reitera a independência e autonomia "na direção do processo de inquérito".

Fonte do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou hoje à Lusa que vários árbitros foram notificados para prestarem declarações como testemunhas no caso.

Questionada pela Lusa, a fonte do CA da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou que vários árbitros das primeira e segunda categorias (C1 e C2) foram notificados na sexta-feira, no âmbito do processo aberto pelo Conselho de Disciplina (CD) da FPF.

"Apesar de terem passado sete meses desde a abertura do inquérito, é positivo que a CI da LPFP vá começar a dar oportunidade aos árbitros de defenderem o seu bom nome", referiu a fonte do CA, recordando que estas audições ocorrem após pedido do presidente do CA, José Fontelas Gomes.

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, acusou o Benfica de influenciar o setor da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio eletrónico de responsáveis 'encarnados', nomeadamente de Paulo Gonçalves e do presidente Luís Filipe Vieira.

A Polícia Judiciária já realizou várias diligências no âmbito da sua investigação ao caso dos emails, cujas primeiras mensagens foram reveladas em junho de 2017. Na sequência de buscas às instalações do Benfica, em outubro último, Paulo Gonçalves foi constituído arguido, por ter estatuto de advogado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.