Tondela e Portimonense empatam em jogo dividido

O emblema beirão empatou este sábado em casa a dois golos, contra o Portimonense, um resultado que refletiu o jogo equilibrado e dividido entre as duas equipas, com três dos quatro golos a serem marcados na primeira parte.

A equipa da casa começou a perder, empatou e deu a volta ao marcador, mas acabou por ver o Portimonense igualar na segunda parte, numa partida dividida entre as duas equipas, que apostaram num jogo aberto e feito de ataques rápidos.

Uma das primeiras oportunidades de golo surgiu aos 11 minutos, numa jogada do Tondela pelo flanco esquerdo, com Joãozinho a fazer um cruzamento baixo. Tyler Boyd desmarcou-se do defesa, esticou a perna para alcançar a bola, mas atirou ao lado.

O Portimonense também criava perigo e as investidas acabaram por dar resultado aos 20 minutos, com Galeno a recuperar uma bola perto da grande área da equipa da casa e a libertar Ewerton que, aproveitando o mau posicionamento da defesa contrária, só teve de enfrentar o guarda-redes e marcar o primeiro tento.

A resposta do Tondela não demorou, e quatro minutos depois do golo da equipa de Portimão, igualou a partida na sequência de um canto marcado por Miguel Cardoso, em que Bruno Monteiro surgiu ao primeiro poste e cabeceou para o fundo das redes.

Portimonense e Tondela continuaram a procurar o golo e, já perto do final da primeira parte, a equipa comandada por Pepa colocou-se em vantagem no marcador.

Depois de uma combinação entre Joãozinho e Tomané no lado esquerdo, o lateral fez um cruzamento rasteiro para Tyler Boyd, que rematou em esforço, com a bola a bater no poste e entrar, aos 38 minutos.

A segunda parte arrancou logo com uma oportunidade de golo novamente para o Tondela, com Miguel Cardoso a aproveitar um desentendimento da defesa do Portimonense e a aparecer sozinho, mas Ricardo Ferreira defendeu o remate.

Aos 54, o Portimonense chegou à igualdade, num lance em que a defesa beirã cortou mal um cruzamento e deixou a bola para Pires rematar. Cláudio Ramos fez uma defesa incompleta para a frente e Wellington aproveitou, na recarga, para voltar a igualar a partida, num lance em que o árbitro pediu para consultar o árbitro assistente de vídeo (VAR).

Numa segunda parte com menos ocasiões depois do empate do Portimonense, foi a equipa algarvia a criar, mesmo assim, mais oportunidades, tendo estado perto do golo, por três vezes, duas em cabeceamentos de Pires e uma pelos pés de Wellington.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.