Tondela e Portimonense empatam em jogo dividido

O emblema beirão empatou este sábado em casa a dois golos, contra o Portimonense, um resultado que refletiu o jogo equilibrado e dividido entre as duas equipas, com três dos quatro golos a serem marcados na primeira parte.

A equipa da casa começou a perder, empatou e deu a volta ao marcador, mas acabou por ver o Portimonense igualar na segunda parte, numa partida dividida entre as duas equipas, que apostaram num jogo aberto e feito de ataques rápidos.

Uma das primeiras oportunidades de golo surgiu aos 11 minutos, numa jogada do Tondela pelo flanco esquerdo, com Joãozinho a fazer um cruzamento baixo. Tyler Boyd desmarcou-se do defesa, esticou a perna para alcançar a bola, mas atirou ao lado.

O Portimonense também criava perigo e as investidas acabaram por dar resultado aos 20 minutos, com Galeno a recuperar uma bola perto da grande área da equipa da casa e a libertar Ewerton que, aproveitando o mau posicionamento da defesa contrária, só teve de enfrentar o guarda-redes e marcar o primeiro tento.

A resposta do Tondela não demorou, e quatro minutos depois do golo da equipa de Portimão, igualou a partida na sequência de um canto marcado por Miguel Cardoso, em que Bruno Monteiro surgiu ao primeiro poste e cabeceou para o fundo das redes.

Portimonense e Tondela continuaram a procurar o golo e, já perto do final da primeira parte, a equipa comandada por Pepa colocou-se em vantagem no marcador.

Depois de uma combinação entre Joãozinho e Tomané no lado esquerdo, o lateral fez um cruzamento rasteiro para Tyler Boyd, que rematou em esforço, com a bola a bater no poste e entrar, aos 38 minutos.

A segunda parte arrancou logo com uma oportunidade de golo novamente para o Tondela, com Miguel Cardoso a aproveitar um desentendimento da defesa do Portimonense e a aparecer sozinho, mas Ricardo Ferreira defendeu o remate.

Aos 54, o Portimonense chegou à igualdade, num lance em que a defesa beirã cortou mal um cruzamento e deixou a bola para Pires rematar. Cláudio Ramos fez uma defesa incompleta para a frente e Wellington aproveitou, na recarga, para voltar a igualar a partida, num lance em que o árbitro pediu para consultar o árbitro assistente de vídeo (VAR).

Numa segunda parte com menos ocasiões depois do empate do Portimonense, foi a equipa algarvia a criar, mesmo assim, mais oportunidades, tendo estado perto do golo, por três vezes, duas em cabeceamentos de Pires e uma pelos pés de Wellington.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."