Sporting bate Benfica (33-29) e consolida liderança

Leões receberam e venceram o rival de sempre no encontro em atraso da 20.ª jornada do campeonato nacional de andebol da primeira divisão. Campeão em título tem agora mais quatro pontos sobre o FC Porto

O Benfica, orientado pelo técnico Carlos Resende, apenas conseguiu mostrar o seu andebol nos primeiros instantes do encontro, tendo sido abafado até final pelos leões, no pavilhão João Rocha. As águias partilham os mesmos 59 pontos que os dragões no segundo lugar.

Separados por apenas dois pontos na tabela à entrada para o desafio, ambas as equipas apostaram numa estratégia inicial com muitas faltas, consequentes paragens e aproveitando respetivas falhas técnicas.

Do lado dos leões, o cubano Frankis Carol (nove golos no total) ia mantendo o Sporting atrás do resultado, através dos remates certeiros de meia distância e aos seis metros, depois de um começo ligeiramente superior dos encarnados, muito por culpa do espaço dado a Pedro Marques e Belone Moreira.

Os campeões nacionais só conseguiram colocar-se em vantagem na partida à passagem do minuto 17, após algum abrandamento do Benfica, que até aqui tinha sido sempre mais rápido na reposição de bola e apanhado os defesas 'leoninos' lentos na recuperação.

Aos poucos, os atletas de Hugo Canela começavam a cimentar o seu domínio, mesmo com um revés na sua disposição tática, uma vez que o central titular Carlos Carneiro, aos 20 minutos, já contava com duas exclusões e teve que ser poupado para a segunda parte.

Até ao intervalo, o Sporting teve temperamento e soube gerir, tendo ido para o balneário a vencer por cinco golos.

A pausa fez melhor ao Sporting do que propriamente ao Benfica, que continuou a cometer erros atrás de erros e sem 'cérebro' na zona de construção. Os campeões nacionais limitaram-se a manter a vantagem, o que permitiu a Hugo Canela gerir melhor a sua equipa.

Com sete pontos de vantagem a pouco mais de 15 minutos do final, os 'encarnados' abriram-se por completo e nem os livres de sete metros que dispuseram foram aproveitados para encurtar distância no marcador.

Jogo no pavilhão João Rocha, em Lisboa.

Sporting - Benfica, 33-29.

Ao intervalo: 17-12.

Sob a arbitragem de Mário Coutinho e Ramiro Silva, as equipas alinharam e marcaram:

- Sporting (33): Skok, Felipe Ribeiro, Bozovic, Nikcevic (7), Edmilson Araújo (2), Francisco Tavares, Carlos Carneiro (2), Tiago Rocha (3), Cudic, Pedro Solha, Frankis Carol (9), Ruesga (2), Cláudio Pedroso (3), Bosko, Pedro Portela (2) e Pedro Valdes (3).

Treinador: Hugo Canela.

- Benfica (29): Hugo Figueira (1), Davide Carvalho (2), João Silva (5), Pedro Marques (4), João Pais (2), André Alves, Belone Moreira (6), Paulo Moreno (3), Ricardo Pisqueira (2), Arthur Patrianova, Nuno Pereira, Alexandre Calvacanti (1), Fábio Vidrago (3), Miguel Ferreira, Francisco Pereira e Ales Silva.

Treinador: Carlos Resende.

Marcha no marcador: 1-2 (05 minutos), 4-5 (10), 8-8 (15), 12-10 (20), 14-12 (25), 17-12 (intervalo), 21-15 (35), 24-18 (40), 27-20, (45), 29-23 (50), 31-26 (55) e 33-29 (resultado final).

Assistência: 1788 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?