Penafiel vence na compensação e deixa Sporting B na zona de despromoção

O Penafiel venceu este sábado o Sporting B, por 4-3, em jogo da 29.ª jornada da II Liga, em que o tento decisivo aconteceu no período de descontos e depois de estarem com uma desvantagem de dois golos.

Os leões pareciam ter o jogo na mão quando Jovane Cabral fez o segundo golo, aos 56 minutos, juntamente com o bis de Pedro Marques (44 e 60), no entanto, o Penafiel soube explorar bem as fragilidades da equipa da casa e deu a volta nos instantes finais, por Luís Pedro (90+3).

Antes, Fábio Abreu (18), Fábio Fortes (67) e João Paulo (80) marcaram os restantes.

Assim, a equipa B do Sporting passa a ocupar os lugares de despromoção da tabela, agora no 17.º posto, com 31 pontos, enquanto o Penafiel subiu ao segundo lugar do campeonato, com 50, mas com mais um encontro que o Santa Clara.

Sem os habituais titulares Luís Maximiano, Ivanildo Fernandes, Rafael Barbosa e Ronaldo Tavares, todos resgatados para a equipa principal para disputarem a segunda mão dos oitavos de final da Liga Europa diante do Viktoria Plzen, Luís Martins até nem viu a sua equipa entrar mal na partida, contudo o avançado Pedro Marques chegou tarde à emenda do cruzamento de Abdu Conté.

Com o relvado muito castigado devido à forte chuva, os jogadores apresentavam dificuldades para construir jogo, preferindo apostar num futebol direto. Ainda assim, foram os rubro negros a colocaram-se em vantagem. A defesa leonina foi lenta na marcação e na abordagem ao lance, permitindo a Fábio Abreu bater o sérvio Stojkovic.

Os seis jogos consecutivos sem vencer pareciam não sair das cabeças dos leões, mas, já em cima do minuto 45, Pedro Marques conseguiu restabelecer a igualdade e dar algum alento para o segundo tempo.

O tento do empate mudou totalmente a equipa secundária do Sporting, que regressou dos balneários rejuvenescida e não demorou muito até operar a reviravolta no placard. O extremo Jovane Cabral mostrou toda a sua qualidade num remate cruzado para um golo de bolo efeito.

Em vantagem, a equipa de Luís Martins ficou visivelmente mais confortável em campo e até marcar o terceiro passaram-se apenas quatro minutos. Uma boa recuperação de bola de Abdu Conté voltou a terminar nos pés do português Pedro Marques, que bisou ao fuzilar a baliza de Ivo Gonçalves.

O Penafiel não desistiu de lutar, pelos menos, pela divisão de pontos e, com o jogo completamente aberto e partido nos dois lados, os forasteiros encurtaram a diferença para a margem mínima, pelo ponta de lança vindo banco, Fábio Fortes.

A reta final do desafio viria a ser eletrizante e de nova reviravolta, desta feita para os visitantes. Primeiro, o central João Paulo superiorizou-se facilmente sobre os centrais leoninos e correspondeu com eficácia ao cruzamento de Gustavo. Depois, novamente por Gustavo, a bola saiu direitinha, já em período de descontos, para cabeça do outro defesa, o central Luís Pedro.

Jogo realizado no Estádio Aurélio Pereira, em Alcochete.

Sporting B-Penafiel, 3-4.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Fábio Abreu, 18 minutos.

1-1, Pedro Marques, 44.

2-1, Jovane Cabral, 56.

3-1, Pedro Marques, 60.

3-2, Fábio Fortes, 67.

3-3, João Paulo, 80.

3-4, Luís Pedro 90+3.

Equipas:

- Sporting B: Stojkovic, Mauro Riquicho, Merih Demiral, Tiago Djaló, Abdu Conté, Miguel Luís (Ricardo Almeida, 85), Pedro Delgado, Bruno Paz, Paulinho (Diogo Brás, 74), Jovane Cabral (Kenedy Có, 89) e Pedro Marques.

(Suplentes: Pedro Silva, Kenedy Có, Bubacar Djaló, Diogo Brás, Ricardo Almeida, Felipe Ribeiro, Guilherme Ramos).

Treinador: Luís Martins.

Penafiel: Ivo Gonçalves, Kalindi Souza, João Paulo, Luís Pedro, José Gomes, Gustavo Costa, Romeu Ribeiro (Jules Diouf, 89), Hélio Cruz, Ludovic, Fábio Abreu e Gleison (Fábio Fortes, 63).

(Suplentes: Tiago Rocha, Luís Dias, Daniel Martins, César Gomes, Danilo Alves, Jules Diouf e Fábio Fortes).

Treinador: Armando Evangelista.

Árbitro: Rui Oliveira (AF Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Tiago Djaló (12), Luís Pedro (54), Ivo Gonçalves (60), José Gomes (64), Miguel Luís (65), Mauro Riquicho (79), Ludovic (79).

Assistência: cerca de 100 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.