Eficácia do Covilhã anula supremacia do Sporting B

O Sporting da Covilhã venceu este sábado o Sporting B, por 1-0, em jogo da 20.ª jornada da II Liga, em que a formação secundária dos leões não souberam materializar em golo as várias ocasiões que criaram.

O tento do nigeriano Sodiq Fatai (45+1 minutos) chegou para a equipa da Covilhã dar seguimento ao bom momento que atravessa, com o terceiro triunfo consecutivo e consequente salto na classificação, ocupando agora o sétimo posto, com 30 pontos.

Já o Sporting B tem tido um conjunto de resultados irregulares, ocupando o 12.º posto, com 25.

Separados por apenas dois pontos à partida para este desafio e com o mesmo número de vitórias (sete) no início da segunda volta da competição, foi o conjunto serrano a entrar melhor em Alcochete, encostando os leões na sua zona mais defensiva, mas sem pôr prova os reflexos de Stojkovic.

Contudo, foi a equipa liderada por Luís Martins a estar muito perto de marcar em dois momentos: primeiro, Rafael Barbosa ofereceu o golo ao companheiro Ronaldo Tavares, que desperdiçou na cara de Igor Rodrigues, depois, uma jogada bem construída pelo brasileiro Paulinho terminou com uma bomba de David Sualahe ao poste.

Apesar da defesa do Covilhã mostrar nervosismo e colocar-se à mercê do Sporting B, o lateral Reinildo deu um ajuda no ataque forasteiro, quando assistido por Paulo Henrique ganhou nas alturas a Demirial e cabeceou com muito perigo ao lado.

Ainda assim, o Sporting B estava cada vez mais perto de desfazer o nulo e por mais duas vezes tentou chegar ao golo, porém Wallyson e Cristian Ponde, bem enquadrados com a baliza, não souberam materializar a tendência do jogo.

Mas, em tempo de compensação, foram os leões da serra a abrir o marcador. Com a defesa da casa quase toda subida no ataque, Paulinho perdeu a bola e Adul Seidi viu bem a desmarcação de Fatai, que teve categoria ao finalizar, aos 45+1.

O segundo tempo trouxe menos espetáculo e menos chances de golo, apesar do encontro continuar em aberto para as duas equipas. O Sporting tentou, pelo menos, o empate, enquanto o Covilhã soube aguentar a vantagem e até esteve de perto de terminar com as esperanças leoninas, depois de um cabeceamento cheio de intenção do central Zarabi.

Jogo realizado no Estádio Aurélio Pereira, em Alcochete.

Sporting B - Sporting da Covilhã, 0-1.

Ao intervalo: 0-1.

Marcador:

0-1, Fatai, 45+1 minutos.

Equipas:

- Sporting B: Stojkovic, Mauro Riquicho (Ary Papel,75), Ivanildo Fernandes, Merih Demiral, David Sualehe, Bruno Paz, Wallyson Mallmann, Rafael Barbosa, Paulinho (Pedro Marques, 75), Ronaldo Tavares e Cristian Ponde (Miguel Luís, 63).

(Suplentes: Diogo Sousa, Kiki Kouyaté, Pedro Marques, Tiago Djaló, Ary Papel, Budag Nasyrov e Miguel Luís).

Treinador: Luís Martins.

- Sporting da Covilhã: Igor Rodrigues, João Dias, Joel Vital, Kiko Zarabi, Reinildo Mandava, Gaius Makouta, Boubakary Diarra, Paulo Henrique, Índio (Raul Almeida, 77), Sodiq Fatai (Gilberto Silva, 81) e Adul Seidi (Amadú Turé, 64).

Suplentes: Vitor São Bento, Gilberto Silva, Amadú Turé, Hudson Dias, Moses Phiri, Gerson e Raul Almeida).

Treinador: José Augusto.

Árbitro: Sérgio Piscarreta (AF Algarve).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Adul Seidih (34), Wallyson Mallmann (29), Rafael Barbosa (69), João Dias (75), David Sualehe (78), Boubakary Diarra (87) e Merih Demiral (90). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Merih Demiral (90+5).

Assistência: cerca de 600 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.