Benfica B regressa aos triunfos com reviravolta sobre a Oliveirense

Os bês encarnados venceram este sábado a Oliveirense por 3-2, em partida da 20.ª jornada da II Liga, resultado que permitiu às águias reencontrar os êxitos, depois da derrota no reduto do líder FC Porto B.

Apesar de terem ficado em desvantagem à passagem do minuto 30 - golo de Diogo Valente, que bisou na partida -, os benfiquistas, sem o treinador Hélder Cristóvão no banco (cumpriu castigo), operaram a reviravolta ainda antes do intervalo, com os golos de Heriberto e José Gomes.

Willock foi o outro marcador de serviço, num jogo em que os anfitriões terminaram em inferioridade numérica, por expulsão de Diogo Mendes, aos 85 minutos.

O sucesso permitiu ao Benfica B, que soma agora 28 pontos, deixar para trás o Sporting B (derrotado em casa pelo Sporting da Covilhã) na classificação e subir ao 11.º posto. Já o conjunto de Oliveira de Azeméis mantém-se, com 22, no 16.ª lugar, um acima dos lugares de despromoção.

A Oliveirense entrou melhor no jogo e foi a primeira equipa a chegar com perigo à área contrária, mas não tardou a resposta do Benfica B, que, a partir dos 10 minutos, assumiu o controlo do encontro. Alan Júnior, José Gomes e Heriberto e, sobretudo, Willock eram os elementos mais dinâmicos, mas nenhum deles foi eficaz nas oportunidades criadas.

Face ao domínio das águias, a Oliveirense apostava em saídas rápidas para o contra-ataque. Depois de um primeiro aviso de Brayan Riascos - Zlobin travou o remate, aos 25 minutos -, os forasteiros colocaram-se na frente do marcador contra a corrente de jogo, aos 30.

Rápido e oportuno, Diogo Valente foi mais rápido que Pedro Amaral e surgiu ao segundo poste a encostar de pé esquerdo, após cruzamento de Sérgio Ribeiro na esquerda.

Já depois de o conjunto de Oliveira de Azeméis ter reclamado penálti num lance em que Brayan Riascos chocou com o guardião Zlobin - o árbitro considerou falta atacante -, o Benfica B repôs a igualdade aos 41 minutos, por Heriberto, que finalizou boa jogada atacante dos encarnados.

O golo redobrou o ânimo dos benfiquistas, que conseguiram operar a reviravolta volvidos três minutos. José Gomes, após assistência de Heriberto, marcou à segunda tentativa, colocando os anfitriões na frente no final da primeira parte.

Após o intervalo, o Benfica continuou a controlar as operações. Depois de Heriberto e Willock terem ameaçado a baliza de Júlio Coelho, o Benfica conseguiu ampliar a vantagem para 3-1. Uma perda de bola de Xandão permitiu a Keaton Parks assistir Willock, que foi eficaz no remate, aos 59 minutos.

A perder por 3-1, a Oliveirense não desistiu de lutar pelo resultado e, aos 66 minutos, já depois de o Benfica perder Kalaica por lesão, Diogo Valente reduziu, relançando a incerteza no marcador.

Apesar do tento sofrido, o Benfica, que terminou a partida com dez elementos (Diogo Mendes entrou aos 64 minutos e foi expulso aos 85, por acumulação de cartões amarelos), foi a equipa que mais perto esteve de marcar na reta final do jogo, num cabeceamento à trave de Vitaly Lystcov, aos 77.

Jogo no Caixa Futebol Campus, no Seixal.

Benfica B - Oliveirense, 3-2.

Ao intervalo: 2-1.

Marcadores:

0-1, Diogo Valente, 30 minutos.

1-1, Heriberto, 41.

2-1, José Gomes, 44.

3-1, Willock, 59.

3-2, Diogo Valente, 66.

Equipas:

- Benfica B: Ivan Zlobin, Simón Ramirez, Kalaica (Diogo Mendes, 64), Vitaly Lystcov, Pedro Amaral, Florentino Luís, Keaton Parks, Willock (Nuno Santos, 84), Heriberto, Alan Júnior e José Gomes (João Félix, 61).

(Suplentes: Fábio Duarte, Filipe Soares, Jorginho, Nuno Santos, João Félix, Diogo Mendes e Hélder Baldé).

Treinador: Hélder Cristóvão.

- Oliveirense: Júlio Coelho, Alemão, Mathaus, Xandão, Kevin (Boukassi, 82), Sérgio Ribeiro (Rafa, 60), Filipe Gonçalves, João Amorim (António Oliveira, 62), João Mendes, Brayan Riascos e Diogo Valente.

(Suplentes: Gonçalo Gonçalves, Sérgio Silva, Rafa, Clayton, Boukassi, António Oliveira e Manuel Godinho).

Treinador: Pedro Miguel.

Árbitro: Fábio Piló (Leiria).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Brayan Riascos (36), Alemão (74), Diogo Mendes (77 e 85), João Félix (89), Xandão (90+2) e Diogo Valente (90+6). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Diogo Mendes (85).

Assistência: Cerca de 600 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.