Com o talento do pé esquerdo, Colômbia arruma com a Polónia

James Rodríguez e Quintero arquitetaram os três golos dos sul-americanos, em boa posição para se apurarem; Polónia eliminada

Duas seleções favoritas no grupo, mas com a corda na garganta depois do empate entre os outsiders Japão e Senegal, que haviam ganho os primeiros jogos. Os tais resultados que empurravam Colômbia e Polónia para um encontro de alto risco. Desde logo porque a derrota significava ir para casa depois da última jornada da fase de grupos, na quinta-feira. A Colômbia ganhou, e muito bem, a Polónia pode marcar as passagens para depois do encontro de quinta. O 3-0 foi construído com inteligência, habilidade, pés esquerdos virtuosos e velocidade.

A Polónia, para quem tem um goleador feroz como Lewandowski, foi pouco ameaçadora. Talvez a melhor oportunidade que teve no jogo tenha sido quando Krychowiak esteve na cara de Ospina, mas não conseguiu ultrapassar o guarda-redes sul-americano. Aí estávamos nos minutos finais e já os polacos tinham o saco cheio de golos e de superioridade do adversário.

Com James a entrar de início (depois de meia hora na derrota frente ao Japão, 1-2), recuperado das mazelas físicas, a Colômbia exibiu classe. O primeiro golo foi a primeira forma de o expressar. Um canto rodou de Cuadrado para Quintero, o médio levantou a cabeça em direção da área, mas devolveu a James na zona lateral. O avançado do Bayern de Munique cruzou de forma subtil e Yerry Mina ganhou nas alturas a um defesa e ao guarda-redes contrário e desviou de cabeça para o 1-0.

Faltavam cinco minutos para o intervalo, mas percebia-se que o desfecho do jogo não ia ser simpático à Polónia, enredada nas manobras adversárias.

Os sinais maiores da superioridade "cafetera" vieram, sobretudo (e porque foram decisivas), em duas jogadas rápidas de transição para o ataque.

Na primeira, Quintero descobriu Falcao a desmarcar-se entre os centrais, deu-lhe a bola açucarada e o ponta-de-lança (também ele ex-FC Porto) bateu com inteligência Szczesny, colocando a bola rasteira por baixo do guarda-redes. Com a parte de fora do pé. Estavam jogados 70 minutos, e a vida da Polónia ficava mais complexa, demasiado complexa.

Até porque cinco minutos depois, James olhou para o "foguete" Cuadrado, que seguia em alta velocidade em direção à área contrária, e pôs-lhe a bola na frente. Cuadrado correu mais do que todos e bateu Szczesny, novamente.

O 3-0 retirava qualquer dúvida quanto ao desfecho do jogo, mas sobretudo sobre a enorme qualidade dos colombianos, especialmente a tripla por detrás de Falcao: James-Quintero-Cuadrado.

Quinta-feira, a Polónia joga com o Japão sem qualquer ambição. Mas pode influir nas contas. Porque se bater os asiáticos por uma margem superior a uma eventual vitória da Colômbia sobre o Senegal apura estas duas equipas.

No fundo, as três equipas dependem apenas de si próprias: um triunfo e qualquer delas se apura para os oitavos. Neste momento, a Colômbia, pela força desportiva, e o Japão, pela ligeira vantagem (um cartão) sobre o Senegal, parecem estar em vantagem.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.