COI ratifica desclassificação de duas atletas russas

O Comité Olímpico Internacional (COI) anunciou esta quarta-feira a desqualificação das atletas russas Yulia Gushchina e Anna Nazarova, na sequência da reanálise das amostras dos Jogos de Londres (2012)

O anúncio do COI acontece dois dias depois de a federação russa de atletismo ter revelado que as duas atletas tinham sido desclassificadas por terem dado positivo por doping.

Nos Jogos Olímpicos Londres 2012, Yulia Gushchina foi 15.ª nos 400 metros e fez parte da equipa que conquistou a medalha prata nos 4x400 estafetas, mas que já a tinha perdido em fevereiro, devido à da desclassificação por doping de Antonia Krivoshapka.

Já Anna Nazova, tinha sido quinta no comprimento em 2012, ao saltar 6,77 metros.

Na sequência da reanálise das amostras recolhidas nos Jogos Olímpicos Pequim2008 e Londres2012, mais de uma centena de novos casos de dopagem foram revelados, a maioria dos quais no halterofilismo e no atletismo.

O COI reanalisou 584 amostras de Londres 2012, tendo detetado 49 casos de doping, 21 dos quais de atletas russos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.