COI quer investigação profunda aos abusos sexuais de Larry Nassar

Comité Olímpico Internacional propõe investigação completa ao caso que envolveu o médico da federação de ginástica dos EUA.

Ainda que a prioridade passe por "apoiar as atletas", o Comité Olímpico Internacional (COI) que apurar "quem sabia o quê e quando" no caso de abusos sexuais de Larry Nassar, antigo médico da federação de ginástica dos EUA.

A líder da Comissão de Atletas do COI, a norte-americana Angela Ruggiero, disse que está determinada a "chegar ao fundo desta trágica questão", durante uma assembleia do organismo, em PyeongChang, na Coreia do Sul, onde decorrem os Jogos Olímpicos de Inverno.

O presidente do COI, o alemão Thomas Bach, voltou a manifestar "tristeza" face ao "assunto terrível" que representam os abusos sexuais de Nassar, condenado em três julgamentos diferentes a penas de 60 anos de prisão, entre 40 e 175 anos e entre 40 e 125 anos.

Entre as mais de 250 atletas que foram abusadas pelo antigo médico da federação norte-americana de ginástica, de 54 anos, estão as campeãs olímpicas Simone Biles, Aly Raisman, McKayla Maroney e Gabby Douglas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.