COI quer investigação profunda aos abusos sexuais de Larry Nassar

Comité Olímpico Internacional propõe investigação completa ao caso que envolveu o médico da federação de ginástica dos EUA.

Ainda que a prioridade passe por "apoiar as atletas", o Comité Olímpico Internacional (COI) que apurar "quem sabia o quê e quando" no caso de abusos sexuais de Larry Nassar, antigo médico da federação de ginástica dos EUA.

A líder da Comissão de Atletas do COI, a norte-americana Angela Ruggiero, disse que está determinada a "chegar ao fundo desta trágica questão", durante uma assembleia do organismo, em PyeongChang, na Coreia do Sul, onde decorrem os Jogos Olímpicos de Inverno.

O presidente do COI, o alemão Thomas Bach, voltou a manifestar "tristeza" face ao "assunto terrível" que representam os abusos sexuais de Nassar, condenado em três julgamentos diferentes a penas de 60 anos de prisão, entre 40 e 175 anos e entre 40 e 125 anos.

Entre as mais de 250 atletas que foram abusadas pelo antigo médico da federação norte-americana de ginástica, de 54 anos, estão as campeãs olímpicas Simone Biles, Aly Raisman, McKayla Maroney e Gabby Douglas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.