Ensaios nucleares da Coreia do Norte não afetam Jogos de Inverno2018

Comité Olímpico Internacional revelou que vai manter "a porta aberta" à participação de atletas norte-coreanos

O Comité Olímpico Internacional (COI) garantiu hoje que os ensaios nucleares que tem estado a ser feitos pela Coreia do Norte não colocam em risco a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno 2018, na cidade sul-coreana de Pyeongchang.

"Não há dúvida nenhuma", afirmou o presidente do COI, Thomas Bach, quando questionado sobre a realização dos Jogos de Inverno na Coreia do Sul.

Bach referiu que as construções de infraestruturas para os Jogos de Pyeongchang estão "praticamente concluídas" e relembrou que o COI mantém "a porta aberta" à participação de atletas norte-coreanos na competição.

"Queremos assegurar que os atletas da Coreia do Norte que queiram participarem e cumpram os critérios o possam fazer. Apoiaremos os atletas, caso seja necessário, em questões como viagens e alojamento, de forma a que possam participar em igualdade de condições", afirmou Bach, em Lima, onde na quarta-feira começa a Assembleia-Geral do COI.

A Coreia do Norte realizou, em 03 de setembro, o seu sexto ensaio nuclear, que disse ter-se tratado de uma bomba de hidrogénio, ou bomba H miniaturizada, apta a ser colocada num míssil balístico intercontinental (ICBM).

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.