Guangzhou Evergrande torna-se o clube "mais valioso do mundo"

A equipa de Scolari e Jackson Martínez atingiu os três mil milhões de euros capitalização bolsista, superando o Real Madrid

O pentacampeão chinês de futebol, o Guangzhou Evergrande Taobao, tornou-se o clube mais valioso do mundo, após ter atingido 3,35 mil milhões de dólares (cerca de três mil milhões de euros) em capitalização bolsista, avançou hoje a agência oficial chinesa Xinhua.

"Gaungzhou Evergrande supera os maiores clubes do mundo em valor de mercado", aclama a agência, que refere uma transação das ações do clube no discreto índice chinês National Equities Exchange and Quotations (NEEQ).

A venda de 36.000 ações, por 1,98 milhão de yuan (quase 280 milhões de euros), 55 por cada uma, representa uma valorização de 40% face ao valor a que o clube vendeu ações há dois meses, numa tentativa de captar fundos.

A capitalização de mercado do Guangzhou ultrapassou assim o valor do Real Madrid, 3,26 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros), fixado pela revista norte-americana Forbes, que apontou o clube espanhol como o mais valioso em 2015.

Os principais acionistas do Guangzhou são o gigante chinês do imobiliário Evergrande (56,71% das ações) e o Alibaba (37,81%), grupo de comércio eletrónico fundado pelo magnata Jack Ma.

Em 2014, aquele clube, que venceu também a última edição da Liga dos Campeões Asiática, apresentou um prejuízo de 75 milhões de dólares.

Durante o mercado de transferência de inverno, o Guangzhou pagou 42 milhões de euros ao Atlético de Madrid pelo colombiano Jackson Martínez, ex-avançado do FC Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.