Cinco momentos inesquecíveis de Sousa Cintra

Do vidro partido com uma garrafa de água às célebres frases "Você comprou o árbitro" ou Mark Knopfler? "É um bom jogador, mas o plantel está fechado"; da limusina branca aos despedimentos no ar...

A 23 de junho de 1989 o empresário José de Sousa Cintra assumia a presidência do Sporting, cargo que exerceu até 1995. Agora está de volta. Sousa Cintra foi nomeado para a presidência da SAD do clube, em substituição de Bruno de Carvalho, que foi destituído neste sábado. O anúncio foi feito neste domingo por Artur Torres Pereira, da Comissão de Gestão do clube.

A garrafa de água com que partiu o vidro do carro

Sousa Cintra interrompeu a entrevista que dava à TSF para contar o que acabara de lhe acontecer. "Agora parti o vídeo aqui do meu carro, pá... Que granda porra. Estava a beber uma água. É preciso um gajo ser estúpido. É inacreditável. Como é que é possível eu fazer uma coisa destas? Pensei que tinha o vidro aberto. A janela estava fechada e parti o vidro."

O jogo contra o Bolonha: "Você comprou o árbitro"

A RTP filmou Sousa Cintra antes, durante e depois do jogo do Sporting com o Bolonha, nos quartos-de-final da Taça UEFA 1990/91. Vemo-lo a acender o charuto no carro, a conversar com jogadores no balneário, e a assistir ao jogo na bancada, sentado ao lado do presidente do Bolonha, a quem diz: "Pénalti, porra, pá. O árbitro está comprado. Você comprou o árbitro."

Vemo-lo, já depois do jogo, que o Sporting venceu por dois golos, abraçado a Valentim Loureiro, a dizer: "Já estamos na final. É meu convidado de honra."

Outro dos momentos-chave é quando o então presidente do Sporting está reunido com árbitros e, de pé perante uma mesa repleta, lança: "Estou muito feliz por ter conhecido os nossos árbitros. Para mim foi uma honra do car*lho e um prazer ter conhecido gente da vossa categoria."

Mark Knopfler? "É um bom jogador, mas o plantel está fechado."

Estávamos em abril de 1992 e os Dire Straits preparavam-se para atuar no Estádio José Alvalade. Quando lhe perguntaram o que achava do guitarrista e vocalista da banda, Mark Knopfler, Sousa Cintra respondeu: "É um bom jogador, mas o plantel está fechado." O episódio foi recordado por Rui Miguel Tovar no seu livro 101 Cromos da Bola

Despedimentos no ar

Depois de perderem por três bolas a zero com o Casino Salzburg, foi ainda no avião que o então presidente do Sporting despediu Bobby Robson, Manuel Fernandes e José Mourinho. Viria depois a contratar Carlos Queiroz.

Jogadores numa limusina branca em campo

Foi numa limusina branca que Paulo Sousa e Pacheco chegaram ao interior do estádio José Alvalade para serem apresentados oficialmente como jogadores do Sporting, durante o verão quente de 1993. Sousa Cintra foi buscá-los ao Benfica, então liderado por Jorge de Brito, clube com que os dois jogadores rescindiram contrato por terem os salários em atraso. Sousa Cintra ainda tentou levar também João Pinto, mas não conseguiu.

Com Carlos Nogueira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.