Chris Froome vai lutar pela vitória no Giro 2018

O ciclista britânico, quatro vezes vencedor do Tour e atual campeão da Vuelta, anunciou esta quarta-feira que vai participar no próximo Giro, a única das grandes Voltas que ainda não ganhou

"Olá a todos. Estou ansioso por vos rever na linha de partida do Giro 2018", revelou o grande dominador do ciclismo mundial nos últimos anos, num curto vídeo, difundido durante a apresentação do percurso da edição de 2018 da Volta a Itália.

Chris Froome pode tornar-se no primeiro ciclista desde Bernard Hinault, em 1982/83, a ganhar as três grandes Voltas consecutivamente. O britânico, nascido em Nairobi, no Quénia, a 20 de maio de 1985, é o vigente campeão do Tour, que ganhou pela quarta vez em julho, e da Vuelta, em setembro.

Caso consiga vencer a única grande que falta no seu palmarés, o líder da Sky juntar-se-á a Jacques Anquetil, Felice Gimondi, Eddy Merckx, Bernard Hinault, Alberto Contador e Vincenzo Nibali no lote restrito de corredores que conquistou as três maiores provas do panorama velocipédico internacional.

"É algo que a equipa ponderou cuidadosamente e que discutimos profundamente. Sabemos que seria um grande feito na era moderna ganhar o Giro e o Tour no mesmo ano, e a maneira como planeámos a próxima temporada dá-me confiança de que poderemos lutar pelo triunfo em ambas as provas", reconheceu o vencedor das edições de 2013, 2015, 2016 e 2017 da Volta a França.

Froomey explicou que o facto de haver uma semana extra entre as duas provas pesou na sua decisão.

"É mais uma semana para poder recuperar e treinar, o que me faz pensar que é possível estar no topo da forma nas duas corridas. É uma situação única para mim ter a oportunidade de tentar vencer o Giro e ganhar um terceiro Tour consecutivo", confessou.

Caso consiga a 'dobradinha' Giro-Tour, Froome, que conquistou a Vuelta pela primeira vez este ano, tornar-se-ia no primeiro ciclista a consegui-lo desde o falecido italiano Marco Pantani em 1998.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.