Chris Froome, investigado por doping, vai disputar Rota do Sol em Espanha

O ciclista britânico, que está a ser investigado por um controlo antidoping positivo durante a Volta a Espanha de 2017, vai disputar a prova Rota do Sol, na Andaluzia, anunciou esta segunda-feira a equipa Sky.

Froome, vencedor do Tour em 2013, 2015, 2016 e 2017, vai voltar a correr numa prova em que participou -- e venceu - pela última vez em 2015, cuja edição deste ano se vai realizar entre 14 e 18 de fevereiro, precisamente, as mesmas datas da Volta ao Algarve.

"Já passaram alguns anos desde que participei pela última vez na Rota do Sol. É uma prova que aprecio e estou ansioso por voltar a disputá-la", disse Froome, em declarações publicadas no sítio oficial da Sky na Internet.

A equipa britânica não acolheu a pretensão do presidente da União Internacional de Ciclismo (UCI), David Lappartient, que há duas semanas manifestou a vontade de ver a Sky suspender Froome até que seja tomada uma decisão sobre o seu controlo positivo de doping.

A defesa de Chris Froome, quádruplo vencedor da Volta a França, vai alegar que o ciclista britânico sofreu uma disfunção renal, o que explica o excesso de salbutamol detetado na sua urina durante o controlo na Volta a Espanha de 2017, que acabou por vencer.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".