Chelsea vence West Bromwich e recupera quarto lugar ao Tottenham

Os londrinos venceram esta segunda-feira por 3-0 na receção ao West Bromwich, em jogo que encerrou a 27.ª jornada da liga inglesa, e recuperaram o quarto lugar, que dá acesso à Liga dos Campeões.

A equipa londrina vinha de duas derrotas consecutivas traumáticas, a primeira em Stamford Bridge, por 3-0, frente ao Bournemouth, e a segunda perante o Watford, por 4-1, fora, e necessitava de um resultado moralizador a poucos dias de se confrontar com o FC Barcelona, na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Depois de um início titubeante, a equipa estabilizou a partir do momento em que o internacional belga Eden Hazard, que se tornaria na principal figura do jogo, abriu o marcador aos 25 minutos, numa jogada em que tabelou na área com Olivier Giroud, internacional francês contratado na janela de mercado de inverno ao Arsenal.

O West Bromwich foi resistindo e até, por vezes, ameaçando a defesa do Chelsea, mas a resistência quebrou a partir dos 63 minutos, quando Victor Moses aumentou a vantagem para dois golos, também na sequência de uma tabela com o espanhol Fabregas, que ressaltou num adversário antes da finalização do internacional nigeriano.

O Chelsea chegaria ainda ao terceiro golo, aos 71 minutos, de novo por Eden Hazard, um grande golo com o pé esquerdo, de fora da área, após uma diagonal interior que deixou toda a defesa do West Bromwich batida.

Com este triunfo, o Chelsea recuperou o quarto lugar, ao qual acedera o Tottenham após vencer no sábado o Arsenal, somando 53 pontos, menos um do que o Liverpool, que é terceiro, menos três do que o Manchester United, segundo, e menos 19 do que o líder Manchester City.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.