Chapecoense regressa aos relvados a 29 de janeiro

Primeiro jogo depois da tragédia será a contar para o campeonato estadual de Santa Catarina

A Chapecoense, clube brasileiro de futebol cuja equipa foi dizimada na sequência de um acidente aéreo no final de novembro na Colômbia, vai disputar a 29 de janeiro o seu primeiro jogo após a tragédia.

De acordo com um porta-voz do clube, citado pela agência AFP, o Chapecoense defronta nessa data o Internacional, em jogo do campeonato de Santa Catarina, estado do sul do Brasil.

A partida será disputada no estádio Condá, onde tiveram lugar a 03 de dezembro as cerimónias fúnebres de 50 membros do clube que morreram no acidente.

A queda do avião vitimou 19 jogadores do clube - nove outros não viajaram com a equipa no dia do acidente.

Sobreviveram ao acidente o guarda-redes Jackson Follmann, que já está no Brasil, mas foi internado num hospital de São Paulo para ser de novo operado, e o lateral Alan Ruschel.

O futebolista Hélio Neto, por seu turno, continua internado na Colômbia.

A Chapecoense disputou a última partida na véspera do acidente, a 27 de novembro, tendo perdido por 1-0 contra o campeão em título, o Palmeiras.

A 28 de novembro (madrugada de 29 em Lisboa), um avião da companhia aérea Lamia, que partiu do aeroporto Viru Viru, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, caiu em Cerro Gordo, a 17 quilómetros do aeroporto de Medellín, na Colômbia, provocando a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.