César Peixoto diz que Benfica-FC Porto "não vai decidir já o campeonato"

O ex-futebolista César Peixoto antevê o clássico de domingo entre Benfica e FC Porto, para a 30.ª jornada da I Liga, como "um jogo muito importante, mas que não vai decidir já o campeonato".

Com o Benfica na liderança, com um ponto de vantagem sobre o FC Porto, César Peixoto, jogador que passou por ambos os clubes defende que, independentemente do resultado no Estádio da Luz, o campeonato vai continuar em aberto.

"Temos de pensar que ainda há jogos difíceis e na parte final da liga portuguesa, principalmente, os jogos tornam-se bastante complicados. As equipas têm todas os seus objetivos para atingir e percebem que cada vez têm menos tempo. Será sempre um campeonato muito renhido até ao final", afirmou.

Embora destaque à Lusa o equilíbrio como nota dominante do clássico, o esquerdino assume que a experiência de vitórias dos encarnados nos últimos anos, espelhada na possibilidade de um penta inédito na história do clube, pode fazer a diferença num jogo que será sempre decidido nos "pormenores" e com uma intensidade máxima.

"Os títulos dão experiência, calma, maturidade; são aqueles jogadores que ficam vários anos e a vencer, é isso que dá o tal estofo que eu acho que o Benfica tem de vantagem em relação ao FC Porto, mas em jogo jogado nem sempre é a equipa que está melhor que ganha", sublinha, acrescentando ainda o fator casa como algo a ter em conta na decisão da partida.

Por outro lado, o estatuto de segundo classificado do FC Porto não inibe César Peixoto de considerar os 'dragões' a equipa "mais regular" da I Liga, uma vez que liderou a prova durante a grande maioria das jornadas. Em virtude da perda da liderança para o rival encarnado, o ex-jogador assume a sua "curiosidade" pela resposta da equipa de Sérgio Conceição.

"As duas equipas tiveram as suas fases: quando o Benfica esteve menos bem foi numa fase em que havia muito campeonato pela frente; já o FC Porto esteve menos bem numa altura crucial do campeonato", referiu, enfatizando a confiança entre o tetracampeão e a combatividade dos azuis e brancos.

O antigo futebolista, de 36 anos, espera ainda "um Benfica igual a si mesmo" e não descarta que o FC Porto possa adotar uma tática de três homens no meio-campo para "dar mais coesão e músculo" na luta com o líder. E sobre a luta entre os dois clubes fora das quatro linhas, César Peixoto garante que isso não vai pesar na mente dos jogadores.

"Tenho a certeza de que vai ser um jogo intenso, agressivo, se calhar com algumas picardias, mas os jogadores não vão para o campo a pensar nas confusões que têm havido fora de campo. Vão a pensar no jogo que têm de ganhar e não estão minimamente preocupados com o que se passa fora das quatro linhas e que é lamentável", remata.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.