Cassano explica porque desperdiçou a sua carreira: "Sou preguiçoso"

Avançado italiano confessou que percebeu tarde de mais que o problema era a sua atitude e não os treinadores

Antonio Cassano foi durante alguns anos a eterna promessa. Aos 33 anos o rótulo é outro, pois passou a ser mais conhecido por um jogador que desperdiçou a carreira. O italiano confessa que tem plena consciência disso e até dá uma razão: "O problema é que arruinei-me a mim próprio. Sou preguiçoso e nunca fiz nada para dar o meu melhor rendimento."

Apesar de nunca ter confirmado o que se esperava dele, Cassano não parece arrepender-se das suas opções. "Na vida há que ser feliz e eu sou", salientou numa entrevista dada ao programa Tiki taka da Mediaset, citada pelo ABC.

Com exceç?ão dos cinco anos que passou no AS Roma, o avançando nunca ficou muito tempo num clube. Ainda assim representou alguns dos melhores, como Real Madrid, AC Milan e Inter, entre outros. "Quando tinha treinadores mais rigoroso, eu mostrava a minha rebeldia. Quando tinha um treinador mais suave, dormia a sesta. Dei-me conta demasiado tarde que o erro era meu e não dos treinadores", afirmou.

Cassano está de regresso à Sampdoria e ainda sonha com um lugar no Euro2016, mas é realista: "Tenho uma hipótese num milhão. O treinador quer jogadores que se sacrifiquem e tive de mudar a minha atitude nos treinos. Se não me chamar, não vou chorar e irei de férias."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.