Casillas jogou para o recorde europeu: 166 internacionalizações

Guardião do FC Porto fez duas grandes defesas frente à Roménia. Espanha empatou (0-0).

Iker Casillas tornou-se este domingo o jogador europeu com mais internacionalizações (166) e 'festejou' com uma exibição de grande nível frente à Roménia. O guarda-redes do FC Porto fez duas defesas de grande nível, aos 28 e 33 minutos, segurando o nulo que prevaleceu até ao final do encontro (0-0).

O número da baliza espanhola está a um jogo pela Espanha de entrar para o 'top-5' mundial e a 18 de Ahmed Hassan, qie é o jogador mais internacional da história do futebol mundial, com 184 partidas jogadas pelo Egito.

A equipa de Anghel Iordanescu, imbatível na fase de qualificação, continua a mostrar argumentos para uma boa participação em França, e empatou com a campeã da Europa em título.

Sergi Roberto estreou-se como internacional A, pela Espanha, que reclamou de uma grande penalidade de Sapunaru, ex-FC Porto, sobre Fabregas aos 87 minutos, mas o árbitro mandou seguir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.