Carvalhal vai deixar o Swansea no final da época

Continuidade do treinador português descartada, avança BBC

A mais do que provável descida de divisão do Swansea, que precisaria de um milagre na última jornada para se manter na Premier League, já levou a administração do clube galês a decidir-se pela saída de Carlos Carvalhal.

O treinador português, contratado em dezembro passado, ainda conseguiu encetar uma recuperação na tabela, depois de apanhar a equipa no último lugar da tabela, mas uma recente série de oito jogos sem vencer ditou novamente a queda nos lugares de descida.

Com a derrota caseira frente ao Southampton e o empate do Huddersfield, quarta-feira, no terreno do Chelsea, o Swansea precisa de um milagre na última ronda para evitar a descida. Em 16.º lugar, com 33 pontos, a equipa de Carvalhal, que recebe o já despromovido Stoke, está a três pontos do Southampton, que recebe o já campeão Manchester City. Mas não basta ao Swansea vencer e esperar por uma derrota do Southampton, já que a diferença de golos é muito favorável ao rival: a equipa do português teria de anular dez golos de desvantagem.

Assim, Carvalhal, cujo trabalho no Swansea chegou a merecer vários elogios - além das várias frases célebres com a adaptação de alguns ditos populares portugueses -, prepara-se para abandonar o cargo após o jogo do próximo domingo, avança a BBC. O contrato do técnico é válido apenas até final da temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.