Carvalhal vai deixar o Swansea no final da época

Continuidade do treinador português descartada, avança BBC

A mais do que provável descida de divisão do Swansea, que precisaria de um milagre na última jornada para se manter na Premier League, já levou a administração do clube galês a decidir-se pela saída de Carlos Carvalhal.

O treinador português, contratado em dezembro passado, ainda conseguiu encetar uma recuperação na tabela, depois de apanhar a equipa no último lugar da tabela, mas uma recente série de oito jogos sem vencer ditou novamente a queda nos lugares de descida.

Com a derrota caseira frente ao Southampton e o empate do Huddersfield, quarta-feira, no terreno do Chelsea, o Swansea precisa de um milagre na última ronda para evitar a descida. Em 16.º lugar, com 33 pontos, a equipa de Carvalhal, que recebe o já despromovido Stoke, está a três pontos do Southampton, que recebe o já campeão Manchester City. Mas não basta ao Swansea vencer e esperar por uma derrota do Southampton, já que a diferença de golos é muito favorável ao rival: a equipa do português teria de anular dez golos de desvantagem.

Assim, Carvalhal, cujo trabalho no Swansea chegou a merecer vários elogios - além das várias frases célebres com a adaptação de alguns ditos populares portugueses -, prepara-se para abandonar o cargo após o jogo do próximo domingo, avança a BBC. O contrato do técnico é válido apenas até final da temporada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...