Carol Henrique sagra-se vice-campeã na Caparica

A francesa Justine Dupont venceu o Caparica Pro, mas precisou de esperar pela nota da última onda para bater a surfista portuguesa

A francesa Justine Dupont venceu o Caparica Pro, mas precisou de esperar pela nota da última onda para bater a portuguesa Carol Henrique, que chegou a estar, momentaneamente, na liderança da final desta etapa portuguesa do Circuito Mundial de Qualificação (WQS).

Dupont confirmou o favoritismo que o currículo de ex-competidora do World Tour lhe atribuía à partida, mas a campeã nacional quase lhe estragou as contas, mercê da habitual combatividade que lhe é reconhecida. E isto numa final com ondas muito pequenas e difíceis de surfar que terminou com a norte-americana Marissa Shaw em terceiro posto e a revelação taitiana de apenas 14 anos, Vahine Fierro, em quarto lugar.

"O campeonato foi todo disputado em condições muito difíceis, pelo que foi mesmo uma questão de adaptação", explicou Carol Henrique, satisfeita pelo segundo lugar nesta etapa de 1000 pontos do Circuito de Qualificação Mundial (WQS) feminino.

"Normalmente temos de ir ao estrangeiro para competir no QS pelo que é sempre bom poder competir aqui na Caparica, onde aliás costumo treinar. Perdi na última onda, mas penso que foi um honroso segundo lugar", concluiu a campeã nacional, que este ano luta pela qualificação para o circuito mundial.

Para a campeã do Caparica Pro, Justine Dupont, este triunfo foi particularmente difícil. Depois de uma temporada de Inverno dedicada a perseguir ondas gigantes no Havai, França e Nazaré, onde agora tem residência, a francesa encarou as ondas pequenas da Caparica como um desafio:

"No surf, como na vida, temos de encontrar novos desafios e este campeonato foi um verdadeiro desafio para mim. Estou feliz porque este 'prize money' vai permitir-me fazer mais umas etapas, já que estou sem patrocinador principal. Talvez agora que estou a viver parte do ano em Portugal consiga um patrocinador português, quem sabe?"

Pedro Henrique e Vasco Ribeiro nas meias-finais

No Caparica Pro, as cores portuguesas continuam fortes, com o campeão nacional Pedro Henrique e Vasco Ribeiro a vencerem as suas baterias dos dos quartos-de-final. Menos sorte para Miguel Blanco e Eduardo Fernandes, eliminados nesta fase da competição.

Pedro Henrique atribuiu o sucesso à "estratégia": "O mar esteve muito difícil o dia todo, especialmente de manhã, por isso foi preciso surfar muito na base da estratégia. Este campeonato é importante para colocar o "surf no pé", ou seja, adquirir ritmo competitivo ara o restante da temporada internacional. Nesse sentido, está a ser muito bom."

Referência também para Gony Zubizarreta, surfista espanhol que reside e compete em Portugal e que também garantiu um lugar nas meias-finais, vencendo categoricamente o seu heat com as duas ondas mais pontuadas do dia (8.33 e 8.40).

Theo Julitte triunfa no Caparica Junior Pro

No Caparica Junior Pro, o francês Theo Julitte sagrou-se campeão desta etapa do Junior Tour da WSL, batendo o taitiano Kauli Vaast, o basco Ruben Vitoria e o francês Marco Mignot.

Os melhores portugueses foram João Moreira e o local da Caparica Guilherme Ribeiro que ficaram pelas meias-finais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.