Canoagem nacional reinventa-se: Taça do Mundo é o primeiro teste

Portugal acolhe primeira competição internacional pós-Rio 2016, pondo à prova muitas mudanças (como o fim de K4 1000), devido a alterações no programa olímpico

Fernando Pimenta compete apenas como individual, o K4 masculino recebe David Varela e vira-se para os 500 metros, Teresa Portela regressa à equipa feminina e Hélder Silva também se vê obrigado a trocar de distância: é uma seleção nacional repleta de novidades que começa hoje a disputar, no Centro de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho (distrito de Coimbra), a primeira etapa da Taça do Mundo de canoagem de velocidade de 2017.

A primeira competição internacional pós-Rio 2016, que decorre até domingo, "é o primeiro teste" à reinvenção da canoagem portuguesa neste início de ciclo olímpico (que culmina em Tóquio 2020), explica, ao DN, Ricardo Machado, diretor técnico nacional e vice-presidente da federação. Devido a "uma série de alterações no programa" de disciplinas presentes nos Jogos Olímpicos - "desapareceram algumas provas no masculino e apareceram outras no feminino" -, a equipa lusa foi obrigada a várias mudanças. "A que mais nos afeta é o fim de K4 1000 masculinos" (onde Portugal colecionou medalhas internacionais nos últimos anos), nota o dirigente.

A partir de agora, Fernando Pimenta "vai focar-se na tripulação individual" - compete em K1500, 1000 e 5000 na Taça do Mundo, mas apenas a intermédia é distância olímpica. E será rendido por David Varela, de 23 anos, na nova embarcação de K4 500 - que mantém Emanuel Silva (agora à frente, como voga), João Ribeiro e David Fernandes. "David Varela era sub-23 e está a cumprir o primeiro ano de sénior. Foi o atleta que ficou mais bem classificado na seletiva nacional e que deu melhores garantias. Agora, vai ser testado. Este ano e o próximo são para isso mesmo: para testar soluções e perceber quais dão garantias de apuramento [para os Jogos Olímpicos, a decidir maioritariamente nos Mundiais de 2019]", aponta Ricardo Machado.

A mesma renovação acontece no K4 500 feminino, que já não conta com Beatriz Gomes e Helena Rodrigues: Teresa Portela volta a integrar a equipa, ao lado de Joana Vasconcelos, Francisca Laia e Maria Cabrita. "Vamos ter ainda a Teresa a fazer K1 (200 e 500) e a Joana e a Francisca a fazer K2 (500)", acrescenta o responsável federativo.

Quarenta portugueses em ação

Todavia, as mudanças não aconteceram apenas nos caiaques. Também houve grandes alterações nas canoas. "O Hélder Silva era especialista no C1 200 mas os 200 metros desapareceram do programa olímpico. Está em processo de treino com vista a adaptação a nova distância, C2 1000, com o Nuno Silva", esclarece Ricardo Machado. No entanto, na Taça do Mundo, o canoísta, que joga em casa - é militar da GNR em Montemor-o-Velho -, poderá competir na sua especialidade.

De resto, além destes pesos-pesados, que voltarão a entrar em ação nas outras duas etapas da Taça do Mundo - os caiaques masculinos na em Szeged (Hungria), de 26 a 28 de maio, os caiaques femininos e as canoas masculinas em Belgrado (Sérvia), de 2 a 4 de junho -, Portugal terá muitos mais canoístas em ação, até domingo, em Montemor-o-Velho. "São 40 atletas, a maior equipa com que alguma vez participámos; dois barcos em quase todos os eventos, quer com atletas consolidados quer com jovens promessas, sub-23 e alguns juniores, para lhe dar experiência internacional", conta o diretor técnico nacional.

Na mira estão os campeonatos Europeus (Plovdiv, Bulgária, 14 a 17 de julho) e Mundiais (Racice, República Checa, 23 a 27 de agosto) deste ano... e, acima de tudo, Tóquio 2020. "Somos ambiciosos, queremos fazer melhor do que no ciclo anterior [seis apurados na velocidade, com Emanuel Silva e João Ribeiro à beira das medalhas, 4.º lugar em K2 1000]", fixa Ricardo Machado. Mas, por agora, o que interessa é mesmo o ensaio da Taça do Mundo, sem objetivos fixados mas sabendo que "à partida, Portugal vai conquistar medalhas", como aconteceu nas edições anteriores. Fernando Pimenta é o primeiro a entrar em cena, hoje às 09.37, nas eliminatórias de K1 1000 metros. A competição é transmitida pela RTP e pela Eurosport, no sábado (entre as 10:00 e 11:15) e no domingo (das 9:45 às 11:00).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.