Canelas dispensa Marco Gonçalves após agressão

O clube de Fernando Madureira garantiu que o jogador, que agrediu um árbitro durante o jogo com o Rio Tinto, este domingo, não voltará a vestir a camisola do clube.

O Canelas 2010 anunciou, em comunicado na sua página do Facebook, que dispensou o jogador Marco Gonçalves, na sequência da agressão ao árbitro José Rodrigues da partida que opôs o Sport Rio Tinto ao Canelas, este domingo. O juiz teve de ser assistido no hospital.

"Face aos acontecimentos, o atleta Marco Gonçalves nunca mais vestirá a camisola do CF Canelas 2010", lê-se num comunicado assinado pelo presidente Bruno Canastro. O Canelas 2010 diz que "condena veementemente a atitude irrefletida do seu atleta Marco Gonçalves e não se revê neste tipo de comportamentos".

"Esta condenável atitude foi um ato totalmente isolado que o nosso capitão, Fernando Madureira, tudo fez para evitar e saiu de imediato em defesa do árbitro e muito contribuiu para acalmar rapidamente os ânimos mais exaltados", refere o clube.

O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) classificou o incidente como "inaceitável" e prometeu fazer deste caso um exemplo. Também a APAF já condenou o caso e anunciou que o agressor deve "responder em tribunal".

Confira o comunicado, assinado pelo presidente do clube, Bruno Canastro :

Marco Gonçalves, do Canelas 2010, disse hoje não se recordar de ter agredido o árbitro do encontro com o Rio Tinto, em jogo da terceira jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto.

"Não me lembro de o ter agredido. Foi o empurra aqui e empurra ali", disse Marco Gonçalves, à SIC, depois de ter sido expulso logo aos dois minutos da partida.

Marco Gonçalves diz que se lembra de agarrar o árbitro, mas que não se lembra "como aconteceu aquilo".

"Você [jornalista] está a dizer que foi uma joelhada... talvez fosse. Se for esse o caso, eu queria mesmo pedir desculpa ao árbitro, à respetiva família, aos portugueses e à instituição do Rio Tinto", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?