Futebolistas camaroneses condecorados pelo presidente

A seleção dos Camarões, vencedora da CAN de 2017, foi homenageada no regresso a casa

O presidente dos Camarões, Paul Biya, homenageou e condecorou hoje a seleção do futebol do país, pela conquista no domingo da Taça das Nações Africanas (CAN2017), em cuja final venceu o Egito, por 2-1.

"Vocês enfrentaram as melhores equipas, as mais aguerridas, e como vocês próprios disseram, colocaram-nas de 'molho'", começou por dizer o chefe de estado camaronês, dirigindo-se aos jogadores presentes na cerimónia no palácio presidencial.

Paul Biya enalteceu o "talento" dos jogadores, e aquilo a que designou de "bloco sólido como uma rocha", e entregou a cada um uma condecoração, uma medalha de cavaleiro da ordem, face à conquista da quinta CAN da história do país.

O presidente disse também aos jogadores ter vibrado com as vitórias da seleção, chegando ao ponto de dizer que os próximos adversários saibam que "os leões indomáveis [os Camarões] estão de regresso".

Os Camarões, país organizador da edição de 2019 da CAN, conquistaram o troféu em 1984, 1988, 2000, 2002 e agora, em 2017.

O país com maiores vitórias no campeonato africano de seleções é o Egito, finalista vencido da edição deste ano (2-1), com sete triunfos, em 1957, 19591, 1986, 1998, 2006, 2008 e 2010.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...