Bernardo Silva marca na goleada do Man. City ao Swansea (5-0)

Português fez o quarto golo no triunfo esmagador do campeão inglês sobre a equipa treinada por Carlos Carvalhal.

O Manchester City, já campeão inglês de futebol, goleou este domingo, em casa, o Swansea, de Carlos Carvalhal, por 5-0, num jogo em que o português Bernardo Silva marcou um golo.

A formação comandada pelo catalão Pep Guardiola adiantou-se no marcador logo aos 12 minutos, por David Silva, ampliando a vantagem aos 16 minutos, por Raheem Sterling.

Na segunda parte, Kevin de Bruyne ampliou, aos 54 minutos, Bernardo Silva, dez minutos depois, fez o quarto e o brasileiro Gabriel Jesus redimiu-se de um penalti falhado aos 63 minutos, fechando a contagem, aos 88 minutos.

O Manchester City passou assim a somar 90 pontos, mais 16 do que o Manchester United de José Mourinho, segundo classificado, enquanto o Swansea se mantém em 17.° lugar, último lugar de permanência na ´Premier League´, com quatro pontos de vbantagem para o Southamptom, primeira equipa abaixo da linha de despromoção.

Antes, o Stoke City e o Burnley empataram 1-1, com golos de Papa Ndiaye, aos 11 minutos, e de Ashley Barnes, aos 62 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.