Cambiasso termina carreira aos 37 anos

O médio argentino, que alinhou nas duas últimas temporadas no Olympiacos, deverá prosseguir a sua carreira como treinador

O médio argentino Esteban Cambiasso, que alinhou nas duas últimas temporadas no Olympiacos, da Grécia, anunciou a sua retirada como jogador de futebol e deverá prosseguir a sua carreira como treinador.

Cambiasso, de 37 anos, concluiu recentemente um curso de treinador da UEFA em Coverciano (Itália) e está habilitado a treinar equipas jovens ou a exercer como adjunto em equipas de primeira e segunda divisão.

Formado no Argentinos Juniors, estreou-se na equipa B do Real Madrid em 1996 e ali permaneceu durante dois anos, antes de regressar à Argentina para representar o Independiente e o River Plate por empréstimo. Em 2002, voltou a Espanha para vestir a camisola da equipa principal dos 'merengues' por duas temporadas, ganhando um campeonato espanhol, uma Supertaça e a Taça Intercontinental.

A fase de maior sucesso da sua carreira veio depois, no Inter de Milão, ao serviço do qual esteve 10 anos, conquistando uma Liga dos Campeões, sob o comando de José Mourinho, um Mundial de clubes, cinco campeonatos de Itália, a Taça de Itália por quatro vezes e a Supertaça outras tantas.

Com 74 jogos pela seleção da Argentina, Cambiasso alinhou no Leicester City, de Inglaterra, em 2014/15, antes de rumar ao Olympiacos, com o qual ganhou duas vezes a liga grega, uma delas com o treinador português Marco Silva no comando.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?