Burger King incentivava mulheres russas a engravidarem de jogadores

Campanha que oferecia hambúrgueres vitalícios e 40 mil euros gerou revolta nas redes sociais e foi apagada

Uma campanha publicitária lançada pela cadeia de restaurantes Burger King, na Rússia, gerou polémica ao oferecer 40 mil euros e hambúrgueres vitalícios às mulheres russas que engravidassem de um jogador que participasse no Mundial 2018. O anúncio gerou uma onda de revolta nas redes sociais e levou a que a empresa cancelasse a campanha e emitisse um pedido de desculpas.

"As mulheres que conseguirem os melhores genes futebolísticos vão promover o sucesso da equipa russa nas próximas gerações", podia ler-se num anúncio divulgado esta terça-feira na rede social russa VKontakte, semelhante ao Facebook.

A campanha enfureceu os utilizadores das redes sociais. "Este é o reflexo direto do nível em que a nossa sociedade está em relação às mulheres", comentou uma utilizadora do VKontakte.

As mulheres russas são frequentemente tratadas na publicidade e na comunicação social como predadoras sexuais. No início do mês de junho o jornal russo Moskovskiy Komsomolets escreveu uma notícia intitulada "Truques de amor: belezas russas atraem fãs estrangeiros", enquanto o site de desporto Championat publicou um artigo com o título "Como as belezas russas captam estrangeiros".

"Pedimos desculpa pelo anúncio que fizemos. Acabou por se revelar ofensivo. Agradecemos o vosso feedback", disse a Burger King Rússia através de um comunicado.

Esta não foi a primeira campanha polémica da empresa de fast-food na Rússia. Em 2017, um anúncio usou a imagem de uma modelo que tinha semelhanças propositadas com uma jovem de 16 anos que alegava ter sido vítima de violação.

A modelo da campanha usava a mesma roupa e corte de cabelo que Diana Shurygina usou quando contou o abuso sexual num talk-show televisivo. No cartaz publicitário fazia o mesmo gesto que a vítima fez no programa para indicar a quantidade de vodka que bebeu antes da violação: "Só um pouquinho".

No anúncio, o gesto é utilizado para dar a entender que a oferta especial - pague um hambúrguer e coma dois - não iria durar muito tempo.

A indignação tomou conta das redes sociais, com alguns utilizadores a dizerem que nunca mais iriam entrar num restaurante Burger King.

Tal como agora, o anúncio também foi retirado, mas não houve nenhuma declaração oficial da empresa sobre o assunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.