Bruno Viana assina por cinco épocas

O jogador de 23 anos, internacional sub-20 brasileiro, afirmou-se no clube bracarense que decidiu avançar já para a sua compra

O Sporting de Braga e o defesa central Bruno Viana assinaram um contrato por cinco temporadas, informou hoje o clube minhoto, quarto classificado da I Liga de futebol.

O jogador de 23 anos, internacional sub-20 brasileiro, afirmou-se no clube bracarense - 28 jogos e quatro golos -, que decidiu avançar já para a sua compra, acionando a cláusula de opção estipulada aquando do empréstimo dos gregos do Olympiacos, em julho do ano passado.

"Desde que cheguei que vim com a ideia de ajudar a equipa, dar o meu máximo e o meu melhor e a prova está aí", disse Bruno Viana sobre a assinatura do contrato, em declarações ao sítio do Sporting de Braga na internet.

Considerando que as expectativas foram superadas, quer no número de jogos realizados como em golos, e convicto que é possível ir mais além, Bruno Viana explicou que a decisão de ficar em Braga deve-se ao facto de se sentir bem no clube e na cidade.

"Quero continuar a servir esta camisola, pela qual vou dar o meu sangue e a minha alma até ao final do contrato. O Sporting de Braga abriu-me portas e é uma casa que eu respeito muito", disse.

O central afirmou-se um jogador "muito mais confiante" do que quando chegou "e com mais vontade de ajudar dentro de campo".

"O treinador [Abel Ferreira] tem sido muito importante, tem demonstrado o que é, independentemente dos resultados, e tem-me transmitido confiança", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.