Bruno de Carvalho não se recandidata se a destituição vencer

Presidente do Sporting garante que se os sócios assim o decidirem nunca mais "mete os pés em Alvalade". E deixa um desafio a Marta Soares como condição para marcar presença na Altice Arena

"Se receber um não e tudo naquela Assembleia Geral for fidedigno, não só não meto mais lá os pés, como escusam de me expulsar de sócio, porque não me recandidato. A única coisa que vou pedir é alguém que me vá lá buscar as coisas ao escritório, porque tenho lá, em Alvalade, as minhas coisas", garantiu na noite desta quinta-feira Bruno de Carvalho à Sporting TV.

O líder leonino disse ainda que se o Conselho Diretivo for destituído "as modalidades vão acabar e o pavilhão vai passar para a SAD".

Bruno de Carvalho lançou ainda um desafio a Jaime Marta Soares para marcar presença na Assembleia Geral de sábado. "Desfaz amanhã a Comissão de Fiscalização que criou e a Comissão de Gestão que criou. Eu amanhã desfaço a Comissão de Transição da Mesa da Assembleia Geral que criei e a Comissão de Fiscalização que criei. Paramos todos também com as providencias cautelares e com isso o Conselho Diretivo vai estar em pleno funcionamento na Assembleia Geral. Se quiser reunimo-nos já amanhã às 9.00"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.