Gelson para Bruno de Carvalho: "Neste momento o meu foco é a seleção"

Presidente voltou ao Facebook para mostrar mensagens trocadas com Gelson Martins, Bruno Fernandes e empresário de Bas Dost, três dos quatro jogadores que na segunda-feira rescindiram com o Sporting.

Bruno de Carvalho revelou no Facebook uma troca de mensagens com Gelson Martins, Bruno Fernandes e empresário de Bas Dost antes dos jogadores avançarem para as rescisões. Na troca de mensagens fica clara a preocupação do presidente do Sporting com os atletas e com a possível saída de Alvalade, mas permanece a dúvida sobre o conteúdo de outras mensagens, que foram apagadas.

Já sobre William Carvalho, um dos quatro jogadores que na segunda-feira rescindiram com o Sporting, não foi mencionada qualquer troca de mensagens.

Nas mensagens, o presidente do Sporting fala num "mundo de enganos que necessitam de verdades" e mostra mensagens trocadas através do WhatsApp. No caso de Bas Dost, Bruno de Carvalho enviou uma mensagem a Gunther Neuhaus, empresário do holandês, para tentar saber o que o avançado ia fazer. "Preciso que diga alguma coisa porque um jornal avança que o Bas só fica se eu sair", afirmou.

"A única coisa que posso dizer neste momento é que Bas está devastado, isto nunca devia ter acontecido. É uma injustiça brutal, ele não merece isto. Ele não confia em ninguém. Agora saiu para férias, depois falo com ele sobre a situação. Não vamos falar com a imprensa agora", respondeu Gunther Neuhaus.

A quem Bruno de Carvalho garantiu que melhorou as condições de segurança no Sporting e que os responsáveis pelo ataque já estavam na prisão. "Isto nunca mais vai voltar a acontecer", garantiu o presidente leonino.

As mensagens enviadas a Gelson e Bruno Fernandes foram um pouco diferentes. Já com os jogadores ao serviço da seleção, o líder leonino perguntou a cada um deles. "Tens alguma dúvida que queiras esclarecer?", perguntou Bruno de Carvalho. Bruno Fernandes respondeu que já estava a par de tudo através do empresário, enquanto Gelson garantiu que o seu foco é a seleção.

Perante a resposta do extremo, o presidente fez ainda referência a Rúben Semedo, grande amigo de Gelson e ex-jogador do Sporting que se encontra neste momento em prisão preventiva. "Já agora, um assunto que me está a preocupar: o Rúben precisa de ajuda do Sporting? Podemos ajudar e se o clube dele quiser podemos tê-lo emprestado na próxima época para o ajudar desportivamente, em família, que é o Sporting. Precisa?", escreveu.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."