Gelson para Bruno de Carvalho: "Neste momento o meu foco é a seleção"

Presidente voltou ao Facebook para mostrar mensagens trocadas com Gelson Martins, Bruno Fernandes e empresário de Bas Dost, três dos quatro jogadores que na segunda-feira rescindiram com o Sporting.

Bruno de Carvalho revelou no Facebook uma troca de mensagens com Gelson Martins, Bruno Fernandes e empresário de Bas Dost antes dos jogadores avançarem para as rescisões. Na troca de mensagens fica clara a preocupação do presidente do Sporting com os atletas e com a possível saída de Alvalade, mas permanece a dúvida sobre o conteúdo de outras mensagens, que foram apagadas.

Já sobre William Carvalho, um dos quatro jogadores que na segunda-feira rescindiram com o Sporting, não foi mencionada qualquer troca de mensagens.

Nas mensagens, o presidente do Sporting fala num "mundo de enganos que necessitam de verdades" e mostra mensagens trocadas através do WhatsApp. No caso de Bas Dost, Bruno de Carvalho enviou uma mensagem a Gunther Neuhaus, empresário do holandês, para tentar saber o que o avançado ia fazer. "Preciso que diga alguma coisa porque um jornal avança que o Bas só fica se eu sair", afirmou.

"A única coisa que posso dizer neste momento é que Bas está devastado, isto nunca devia ter acontecido. É uma injustiça brutal, ele não merece isto. Ele não confia em ninguém. Agora saiu para férias, depois falo com ele sobre a situação. Não vamos falar com a imprensa agora", respondeu Gunther Neuhaus.

A quem Bruno de Carvalho garantiu que melhorou as condições de segurança no Sporting e que os responsáveis pelo ataque já estavam na prisão. "Isto nunca mais vai voltar a acontecer", garantiu o presidente leonino.

As mensagens enviadas a Gelson e Bruno Fernandes foram um pouco diferentes. Já com os jogadores ao serviço da seleção, o líder leonino perguntou a cada um deles. "Tens alguma dúvida que queiras esclarecer?", perguntou Bruno de Carvalho. Bruno Fernandes respondeu que já estava a par de tudo através do empresário, enquanto Gelson garantiu que o seu foco é a seleção.

Perante a resposta do extremo, o presidente fez ainda referência a Rúben Semedo, grande amigo de Gelson e ex-jogador do Sporting que se encontra neste momento em prisão preventiva. "Já agora, um assunto que me está a preocupar: o Rúben precisa de ajuda do Sporting? Podemos ajudar e se o clube dele quiser podemos tê-lo emprestado na próxima época para o ajudar desportivamente, em família, que é o Sporting. Precisa?", escreveu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.