Fenerbahçe vence Sp. Braga pela margem mínima (1-0)

Minhotos bateram-se muito bem, podiam ter marcado antes do golo turco e agora estão obrigados a virar a eliminatória no Minho. Não é uma utopia pensar nos quartos-de-final

O Sp. Braga joga motivado pelo registo de 15 jogos consecutivos sem perder e após uma vitória moralizadora diante do FC Porto foi a Istambul jogar de igual para igual com o Fenerbahçe de Vítor Pereira. Mas um golo de Topal acabou por fazer a diferença aos 82 minutos.

A equipa portuguesa teve duas grandes oportunidades de golo no jogo, uma de Hassan e outra de Josué, que obrigou Demirel a fazer uma grande defesa. Mas Matteus também esteve atento e teve de se aplicar. Evitou o golo a Van Persie (ainda marcou mas o lance foi invalidade por fora de jogo) e a Erkin, que tentou fazer um golo de canto direto.

Bruno Alves foi titular na equipa turca, enquanto Raul Meireles e Nani começaram no banco e entraram na segunda parte. Para o jogo da segunda mão, em Braga, dia 17, Paulo Fonseca não poderá contar com Luiz Carlos, que viu um cartão amarelo na Turquia.

Fenerbahçe: Volkan Demirel; Sener Ozbayrakli, Kjaer, Bruno Alves e Caner Erkin; Mehmet Topal, Souza e Ozan Tufan; Alper Potuk, Volkan Sen e Van Persie.

Sp. Braga: Matheus; Baiano, Ricardo Ferreira, André Pinto e Goiano; Luiz Carlos, Vukcevic, Josué e Rafa; Wilson Eduardo e Hassan.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".