Pedro Proença felicita Ronaldo, "um dos melhores" de sempre

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional felicitou Ronaldo pela conquista da edição 2017 da Bola de Ouro

"Parabéns, Cristiano. Parabéns Portugal (...) Sentimo-nos todos muito honrados com mais este momento de sucesso, que premeia o mais talentoso desportista português da atualidade e um dos melhores de sempre à escala mundial", pode ler-se na nota enviada pela Liga.

Cristiano Ronaldo venceu a edição 2017 da Bola de Ouro e somou a 11.ª presença consecutiva no 'top 10' do prémio entregue anualmente pela revista France Football, entre 2010 e 2015 numa parceria com a FIFA.

Desde que foi segundo classificado, em 2007, então, atrás do brasileiro Kaká, não mais o 'capitão' da seleção portuguesa de futebol falhou os 10 melhores, somando cinco troféus, outros tantos segundos lugares e um sexto, em 2010.

O jogador do Real Madrid, formado no Sporting e depois com passagem pelo Manchester United, ganhou em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017 e foi segundo em 2007, 2009, 2011, 2012 e 2015, nas últimas quatro ocasiões batido pelo argentino Lionel Messi, que somou há dois anos o quinto galardão.

Entre os futebolistas lusos, Cristiano Ronaldo, nascido na Madeira em 05 de fevereiro de 1985 (32 anos), já é, de muito longe, o melhor, ao somar cinco títulos, contra apenas um do 'rei' Eusébio e outro de Figo.

"Já quase não há palavras para saudar as conquistas de Cristiano Ronaldo. A sua capacidade de se manter no topo do mundo é ímpar", comentou ainda Pedro Proença.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.