Governo da Madeira felicita Cristiano Ronaldo

Português venceu a sua quinta Bola de Ouro

O Governo da Madeira e o representante da República na Região Autónoma felicitaram esta quinta-feira o futebolista internacional português Cristiano Ronaldo, nascido no Funchal, pela conquista da quinta Bola de Ouro.

"Quero em nome do Governo Regional da Madeira expressar os mais sinceros parabéns ao madeirense Cristiano Ronaldo pela conquista de mais uma Bola de Ouro", escreveu o presidente do executivo do arquipélago numa nota divulgada no Funchal.

Miguel Albuquerque ainda deseja ao internacional português "que muitos outros êxitos se sucedam, para enorme contentamento" de madeirenses e porto-santenses, concluindo que todos acompanham "com muito orgulho tão brilhante carreira".

Também o representante da República na Madeira, Ireneu Barreto, felicitou Cristiano Ronaldo pela conquista deste troféu conferido pela revista France Football.

"É com grande alegria que felicito o nosso conterrâneo Cristiano Ronaldo pela atribuição, hoje anunciada pela 'France Football', da sua quinta Bola de Ouro, que o consagra como o melhor jogador do Mundo em 2017", afirma o juiz conselheiro, igualmente numa nota divulgada na região.

Na opinião do representante da República, "este prémio vem uma vez mais reconhecer as qualidades únicas de um Homem que, conjugando um enorme talento com força de vontade, determinação, coragem e persistência, se tornou uma referência para todos e, sobretudo, para as camadas mais novas".

O português Cristiano Ronaldo ganhou hoje pela quinta vez a Bola de Ouro, prémio atribuído pela revista francesa France Football ao melhor futebolista do ano, somando o quarto troféu nos últimos cinco anos, numa cerimónia que decorreu em Paris, na Torre Eiffel.

Cristiano Ronaldo, que conquistou em 2017 a Liga dos Campeões, a liga espanhola, a Supertaça europeia e a Supertaça espanhola pelo Real Madrid, igualou os cinco troféus do argentino Lionel Messi (2009 a 2012 e 2015).

O 'capitão' da seleção lusa já tinha arrebatado a Bola de Ouro em 2008, 2013, 2014 e 2016, nas edições intermédias num prémio entregue conjuntamente pela France Football e a FIFA.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?