Benfica vence Sporting e está a uma vitória do título

Os encarnados ganharam por 9-6 após prolongamento e podem ser campeões quarta-feira na Luz

O Benfica foi este domingo ao Pavilhão João Rocha vencer o Sporting por 9-6, após prolongamento, e ficou a um triunfo de conquistar o título de campeão nacional, sendo que o próximo jogo está marcado para a Luz na próxima quarta-feira.

Foi um jogo emocionante, com alternâncias no marcador, mas no qual o Benfica foi mais feliz. Os leões começaram melhor com um golo de Pany Varela, tendo Fernandinho feito o empate. Bruno Coelho recolocou os encarnados na frente, mas ainda antes do intervalo Merlim fez o 2-2.

Os leões começaram melhor a segunda parte, chegando a 5-2 com golos de Pedro Cary, Diogo e Merlim, mas nos últimos quatro minutos do tempo regulamentar, os encarnados fizeram uma recuperação fantástica graças a dois golos de Raúl Campos e um de Bruno Pinto.

A 47 segundos do fim Rafael Henmi pôs o Benfica em vantagem por 6-5, mas 25 segundos do final do tempo regulamentar Cavinato empatou e levou o jogo para prolongamento.

No tempo extra, o Benfica foi mais forte, chegando à vantagem de 9-6 com dois golos de Bruno Coelho e um de Fernandinho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.