Dérbi termina empatado (1-1). FC Porto é líder isolado

Benfica e Sporting empataram esta quarta-feira a um golo no Estádio da Luz, para a 16.ª jornada da I Liga. Gelson Martins adiantou os leões aos 19 minutos, Jonas empatou de grande penalidade aos 90

Na 301.ª edição do dérbi lisboeta, Benfica e Sporting empataram esta quarta-feira a um golo, num emocionante encontro disputado no Estádio da Luz, na 16.ª jornada da I Liga.

Os encarnados dispuseram de mais ocasiões de golo durante toda a partida, mas foram os verde e brancos que se adiantaram no marcador, por Gelson Martins (19 minutos), na sequência de um cruzamento de Fábio Coentrão desviado em Rúben Dias.

As águias correram atrás de um melhor resultado e no segundo tempo Rui Vitória arriscou tudo, abdicando de unidades mais defensivas como Rúben Dias e Fejsa para lançar Rafa e João Carvalho, além de ter trocado Pizzi por Jiménez. A insistência benfiquista acabou por surtir efeitos já no minuto 90, quando Jonas igualou o clássico na conversão de uma grande penalidade a castigar mão na bola de Battaglia na área leonina.

Com este resultado, o FC Porto isola-se no comando do campeonato, com mais dois pontos do que o Sporting e mais cinco do que o Benfica.

Onzes iniciais:

BENFICA - Bruno Varela; André Almeida, Rúben Dias, Jardel e Grimaldo; Pizzi, Fejsa e Krovinovic; Salvio, Jonas e Cervi.

Suplentes: Svilar, Lisandro, Samaris, Rafa, João Carvalho, Jiménez e Seferovic.

SPORTING - Rui Patrício; Piccini, Coates, Mathieu e Fábio Coentrão; William Carvalho e Battaglia; Gelson Martins, Bruno Fernandes e Acuña; Bas Dost.

Suplentes: Salin, André Pinto, Bruno César, Ristovski, Podence, Bryan Ruiz e Doumbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.