Benfica já recorreu do castigo e fala em processo inadmíssivel

O Benfica já recorreu da suspensão por dois jogos aplicada ao futebolista Rúben Dias pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), considerando que os árbitros não foram ouvidos e alegando dualidade de critérios.

A entrega do recurso foi confirmada à agência Lusa por uma fonte do Benfica, que considerou "todo o processo inadmissível".

"Processam um castigo a um jogador com uma dualidade de critérios que é evidente em relação a outros casos. Não ouvem o árbitro e o videoárbitro e aplicam o castigo", disse.

Segundo a mesma fonte, no recurso, o clube chama a atenção para facto de "em todo o campeonato com milhares de jogadores e inúmeros jogos só haver dois jogadores do Benfica castigados [com processos sumaríssimos], Rúben Dias e Samaris".

"Isto faz pensar que há aqui qualquer coisa de muito estranha. Não é possível em tantos jogos do campeonato só haver dois jogadores da mesma equipa castigados, quando vemos em muitos jogos situações idênticas às que ocorreram", afirmou a fonte.

O clube da Luz considera estranho que "processos de insultos de jogadores a árbitros estejam na gaveta quando se trata de jogadores do Sporting e do FC Porto".

O CD da FPF considerou que defesa central agrediu o sportinguista Gelson Martins, no jogo entre as duas equipas disputado no sábado, da 33.ª jornada da Liga portuguesa, que terminou empatado sem golos.

De acordo com o mapa de castigos do CD, Rúben Dias atingiu Gelson Martins "de forma ostensiva e violenta, usando o cotovelo".

Em setembro, o médio grego Samaris foi castigado com três jogos de suspensão pelo CD da FPF na sequência de um desentendimento com Paulinho, Sporting de Braga, em jogo da Taça da Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.