Benfica-FC Porto nos quartos da Taça de Portugal

A 69.ª edição da Taça de Portugal de basquetebol será marcada pelo duelo Benfica-FC Porto, nos quartos de final, uma espécie de final antecipada da final a 8, que decorrerá em Braga, de quinta-feira a domingo.

O sorteio ditou que o clássico seja disputado na sexta-feira, pelas 21.00, no Pavilhão da Universidade do Minho, em Braga, o palco onde se desenrolarão todos os sete jogos da prova, cuja final está agendada para domingo, pelas 17.00.

O Benfica, que lidera o palmarés da Taça de Portugal, com 22 troféus conquistados, arrebatou as quatro últimas edições e volta a ostentar o papel de favorito, juntamente como o FC Porto, que conta 13 triunfos, o último em 2011/12.

"Já sabemos que vai ser um jogo muito difícil e complicado e vamos encarar este duelo com toda a seriedade. Vamos tentar integrar o mais rapidamente possível os dois novos jogadores, o Todic e o Damier Pitts, por forma a vencer o FC Porto", disse o capitão benfiquista, Tomás Barroso, ao sítio da Federação Portuguesa de Basquetebol.

Por seu lado, o treinador dos dragões, o espanhol Moncho López, também assumiu ao sítio federativo o favoritismo e está ávido para acabar com a hegemonia que o rival Benfica tem ostentado nas últimas quatro temporadas.

"Somos a única equipa que tem conseguido contestar a hegemonia do Benfica na Taça de Portugal. Para mim, é indiferente defrontar o nosso rival logo nos quartos de final. Para conquistarmos este troféu, teríamos sempre de defrontar o Benfica ao longo da competição", frisou Moncho López.

Os quartos de final abrem na quinta-feira, com o jogo entre o CAB Madeira e o Illiabum, seguindo-se o confronto entre o Eléctrico de Ponte de Sôr e o Galitos do Barreiro.

Na sexta-feira, e além do empolgante clássico, marcado para as 21:00, os quartos de final completam-se com o despique entre o Esgueira, a única equipa da Proliga (segundo escalão) que logrou atingir a final 8, e o Terceira Basket.

As meias-finais realizam-se no sábado e a final está programada para domingo, pelas 17.00.

"Espero que, no âmbito do projeto Cidade Europeia do Desporto, os adeptos venham a Braga apoiar as suas equipas e vibrar com a elite do basquetebol nacional, que vai estar em Braga nos próximos dias", destacou Sameiro Araújo, vereadora do desporto da Câmara Municipal de Braga.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.