Benfica fala de alegados telefonemas e promessas a árbitros

José Marinho, elemento da estrutura encarnada, visou Pinto da Costa e Luís Gonçalves e revelou um alegado telefonema feito a um árbitro a uma hora do início de um jogo e ainda alegadas promessas

O Benfica, através de José Marinho, elemento do departamento de comunicação e comentador no canal do clube, está a divulgar aquilo que José Marinho denomina de "novo Apito Dourado".

Segundo aquele elemento da estrutura encarnada o Benfica teve acesso a "anomalias e suspeitas" que foram "encaminhadas para as autoridades judiciais em Portugal".

Marinho esclareceu, até ao momento, que o novo Apito Dourado "ainda não está tão maduro como o velho porque nem Fontelas Gomes se chama Pinto de Sousa ou Lourenço Pinto nem os árbitros são tão influenciáveis como eram" os de outrora.

José Marinho divulgou um episódio relacionado com a vida familiar de um árbitro. "A uma hora de se realizar um jogo, um árbitro recebeu uma chamada da esposa, em que lhe foi dito que tinham tocado à campainha de casa a perguntar pela filha do casal e a oferecerem-se para a levar ao colégio no dia a seguir".

Para o funcionário do Benfica "Pinto da Costa, Luís Gonçalves e Joaquim Pinheiro" são as pessoas que transitam do velho para o novo Apito Dourado, mas agora com o braço armado que são os Super Dragões que, segundo Marinho, "desde a visita ao Centro de Treinos dos árbitros foram constantes as ameaças por diversas vias, presenças nas áreas de residência, escolas dos filhos dos árbitros, práticas de condicionamento".

José Marinho questionou ainda como está a queixa apresentada por Soares Dias, feita "há mais de 300 dias" e catalogou Francisco J. Marques como "o comissário do FC Porto na imprensa quando do velho Apito Dourado".

Depois, José Marinho, o porta-vos destas suspeitas questionou ainda a descida de categoria dos árbitros Tiago Antunes e Jorge Ferreira, em favor de Luís Ferreira que se manteve por "uma décima". "Era importante que Luís Ferreira permanecesse na primeira categoria, este foi o árbitro do Benfica-Boavista da época passada. É um árbitro que se deixa influenciar por este novo Apito Dourado (...) no final do FC Porto-Tondela Luís Gonçalves terá dito a Luís Ferreira de forma audível 'não vais descer, és um dos nossos'. Isto é ou não verdade?".

José Marinho continuou a fazer perguntas. "É ou não verdade que Pinto da Costa ligou a um árbitro internacional e um dos principais promotores da greve na Taça da Liga? É ou não verdade que António Perdigão [ex-assistente de Paulo Costa e atual comentador de arbitragem no Porto Canal] falou com árbitros e assistentes a influenciá-los a não fazer greve? É ou não verdade que António Perdigão se terá encontrado com árbitros e assistentes e que o argumento que usava era 'vocês têm que estar bem com o FC Porto e com o presidente, com o apoio dele nada vos acontece, vocês sabem o que aconteceu a Cosme Machado e Tiago Antunes que desceram de categoria'".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?