Benfica é o 26.º clube europeu com maior valor comercial

Encarnados são o único clube português na lista de 32 da Europa

O Benfica é o 26.º clube europeu de futebol com maior valor comercial, segundo um estudo divulgado hoje pela auditora KPMG, que indica também que Cristiano Ronaldo é o mais seguido nas redes sociais.

O clube lisboeta, o único português na lista dos 32 mais valorizados da Europa, tem um valor comercial de 328 milhões de euros (ME), ainda assim muito distante dos líderes, os ingleses do Manchester United (MU), que, pelo segundo ano consecutivo, continuam na frente.

Face ao ano passado, o Benfica tem um ligeiro recuo, de três lugares, e de cerca de 12 milhões de euros.

Depois de no estudo anterior ter ultrapassado a barreira dos três mil milhões de euros, o MU sobe para os 3.255 milhões de euros e fica à frente, em 2017, dos dois 'gigantes' espanhóis, Real Madrid (2.920 ME) e FC Barcelona (2.783 ME).

A lista dos 32 'mais valiosos' é amplamente dominada pelos clubes dos cinco grandes campeonatos, com apenas cinco exceções - além do Benfica, os turcos do Besiktas (23.º), Galatasaray (25.º) e Fenerbahce (27.º) e os holandeses do Ajax (29.º). Face ao ano anterior, regista-se a saída do PSV, também da Holanda.

Ronaldo "goleia" concorrência

Por outro lado, o capitão da seleção portuguesa e grande figura do Real Madrid é de forma destacadíssima o que mais seguidores tem nas redes sociais, chegando aos 318 milhões de seguidores, no conjunto de Facebook, Instagram e Twitter.

A longa distância aparecem o brasileiro do Paris Saint-Germain Neymar, com 191 milhões, e o argentino do FC Barcelona Lionel Messi, com 179 milhões.

Apenas um jogador que evolui na I Liga portuguesa consegue chegar ao top-20 - é ele o espanhol Iker Casillas, guarda-redes do FC Porto, seguido por 25,2 milhões.

O relatório tem por base uma análise das últimas demonstrações financeiras disponíveis dos clubes, levando em conta cinco métricas específicas do futebol: lucro, potencial desportivo, popularidade, direitos de transmissão e propriedade do estádio.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.