Benfica é o 26.º clube europeu com maior valor comercial

Encarnados são o único clube português na lista de 32 da Europa

O Benfica é o 26.º clube europeu de futebol com maior valor comercial, segundo um estudo divulgado hoje pela auditora KPMG, que indica também que Cristiano Ronaldo é o mais seguido nas redes sociais.

O clube lisboeta, o único português na lista dos 32 mais valorizados da Europa, tem um valor comercial de 328 milhões de euros (ME), ainda assim muito distante dos líderes, os ingleses do Manchester United (MU), que, pelo segundo ano consecutivo, continuam na frente.

Face ao ano passado, o Benfica tem um ligeiro recuo, de três lugares, e de cerca de 12 milhões de euros.

Depois de no estudo anterior ter ultrapassado a barreira dos três mil milhões de euros, o MU sobe para os 3.255 milhões de euros e fica à frente, em 2017, dos dois 'gigantes' espanhóis, Real Madrid (2.920 ME) e FC Barcelona (2.783 ME).

A lista dos 32 'mais valiosos' é amplamente dominada pelos clubes dos cinco grandes campeonatos, com apenas cinco exceções - além do Benfica, os turcos do Besiktas (23.º), Galatasaray (25.º) e Fenerbahce (27.º) e os holandeses do Ajax (29.º). Face ao ano anterior, regista-se a saída do PSV, também da Holanda.

Ronaldo "goleia" concorrência

Por outro lado, o capitão da seleção portuguesa e grande figura do Real Madrid é de forma destacadíssima o que mais seguidores tem nas redes sociais, chegando aos 318 milhões de seguidores, no conjunto de Facebook, Instagram e Twitter.

A longa distância aparecem o brasileiro do Paris Saint-Germain Neymar, com 191 milhões, e o argentino do FC Barcelona Lionel Messi, com 179 milhões.

Apenas um jogador que evolui na I Liga portuguesa consegue chegar ao top-20 - é ele o espanhol Iker Casillas, guarda-redes do FC Porto, seguido por 25,2 milhões.

O relatório tem por base uma análise das últimas demonstrações financeiras disponíveis dos clubes, levando em conta cinco métricas específicas do futebol: lucro, potencial desportivo, popularidade, direitos de transmissão e propriedade do estádio.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.