Bayern Munique paga 13 milhões por avançado de 30 anos

Clube bávaro anunciou a contratação do internacional alemão Sandro Wagner, proveniente do Hoffenheim, clube eliminado pelo Sp. Braga na fase de grupos da Liga Europa

"Estou muito feliz por isto ter acontecido. O Bayern é a melhor equipa da Alemanha e uma das melhores do mundo. Quando recebi a oferta, nem pensei muito", afirmou Wagner, em declarações publicadas no sítio oficial dos pentacampeões alemães.

O atual diretor desportivo e antigo jogador do Bayern, Hasan Salihamidzic, demonstrou-se convencido de que o avançado de 30 anos irá "aumentar a qualidade do plantel, com a sua classe e experiência".

Uma das razões apontadas para a contratação de Wagner é a necessidade de ir dando descanso ao único ponta de lança do plantel, o polaco Robert Lewandowski.

Segundo os meios de comunicação social alemães, a transferência irá fazer-se por valores a rondar os 13 milhões de euros e o dianteiro irá utilizar um número pouco habitual para a sua posição, o '2'.

Sandro Wagner fez a sua formação no Bayern Munique, tendo feito a estreia na equipa principal dos bávaros na temporada 2007/2008, durante a qual disputou apenas quatro jogos.

Passou, depois, por cinco clubes, com destaque para as duas últimas épocas, ao serviço de Dasmstadt e Hoffenheim, onde contabilizou um total de 67 jogos e 27 golos marcados no campeonato alemão.

Na presente temporada, Sandro Wagner soma quatro tentos, em 11 encontros na Bundesliga, prova em que o Hoffenheim segue no sétimo lugar, com 26 pontos, apenas a quatro do segundo, o Schalke 04, e já a 15 do líder Bayern.

No currículo, conta a conquista da Taça das Confederações, no passado mês de julho, ao serviço da principal seleção alemã, tendo ainda vencido o Campeonato da Europa de sub-21 em 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.