FC Porto vence e deixa Sporting longe do título (2-1)

Dragões ganharam o encontro, com golos de Marcano e Brahimi. Rafael Leão entrou na história por ser o mais jovem de sempre a marcar num duelo entre as duas equipas.

O FC Porto venceu o Sporting na noite desta sexta-feira no Dragão e a nove jornadas do fina do campeonato os dragões ficam com mais oito pontos que o clube de Alvalade que no fundo são nove devido ao confronto direto (0-0 na primeira volta em Alvalade).

O encontro começou equilibrado com lances de perigo nas duas balizas. Marega atirava ao poste, Doumbia pedia penálti por falta de Dalot com Soares Dias, ajudado pelo VAR, a deixar o jogo seguir.

À passagem da meia-hora Marcano fez o primeiro numa jogada de insistência, contudo ao minuto 43 Doumbia, lesionado, foi rendido por Rafael Leão que na primeira vez que tocou na bola restabeleceu o empate após um soberbo passe de Bryan Ruiz.

No segundo tempo o FC Porto entrou a todo o gás e Brahimi fez o o 2-1 numa jogada que apanhou a defesa do Sporting bastante desequilibrada. O Sporting foi à procura do empate e podia ter obtido um resultado melhor, pois Bryan Ruiz atirou ao poste, Coates cabeceou ligeiramente por cima e Rafael Leão, novamente, falhou escandalosamente o bis após um soberbo centro de Ruben Ribeiro que havia entrado.

Em contrapartida Battaglia salvou em cima da linha uma bola de Marega que se encaminhava para a baliza.

Num jogo estranho em que o Sporting teve mais remates, mais cantos e mais posse de bola, o FC Porto venceu sem Rui Patrício ter feito uma única defesa

Veja o resumo da partida:

Eis os onzes:

FC Porto: Casillas, Maxi Pereira, Felipe, Marcano, Diogo Dalot; Herrera, Sérgio Oliveira, Otávio; Marega, Gonçalo Paciência Brahimi

Sporting: Rui Patrício, Ristovski, Coates, Mathieu, Coentrão; William Carvalho, Battaglia; Bryan Ruiz, Bruno Fernandes, Acuña; Doumbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...